Início > Notícias > Aposentados se irritam com manobra governista para adiar votação de reajuste
Aposentados se irritam com manobra governista para adiar votação de reajuste

Com muito barulho, um grupo de aposentados protestou nesta quarta-feira no plenário da Câmara contra a decisão da base aliada governista de impedir a votação da emenda que garante a todos os beneficiários da Previdência Social o mesmo aumento concedido ao salário mínimo. Os governistas não querem votar a matéria porque acreditam que, se for [...]

Com muito barulho, um grupo de aposentados protestou nesta quarta-feira no plenário da Câmara contra a decisão da base aliada governista de impedir a votação da emenda que garante a todos os beneficiários da Previdência Social o mesmo aumento concedido ao salário mínimo. Os governistas não querem votar a matéria porque acreditam que, se for aprovada, vai provocar impactos da ordem de R$ 6 bilhões nas contas públicas somente em 2009.

Irritados com a decisão dos governistas, os aposentados encheram as galerias do plenário. Aos gritos de "vota, vota", cobraram do presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), a análise da matéria. Constrangido, Temer atribuiu aos líderes partidários a decisão de adiar a votação do texto.

Base aliada vai barrar votação de reajuste para aposentados, diz ministro
Aposentados fazem protesto no Congresso contra veto de Lula a reajuste de 16,67%

"Propus que dialogassem, assim é que se faz a democracia. Mas agora, [vocês] devem procurar as lideranças no sentido de obter a votação desse projeto. Peço que tenham respeito por essa sessão", cobrou Temer.

O senador Paulo Paim (PT-RS) incluiu a equiparação no projeto que estabelece a política de valorização ao salário mínimo, o que complicou os líderes governistas na Câmara. Numa manobra, a base aliada pediu mais tempo para analisar uma medida provisória que trata de centrais elétricas –o que impede a votação do projeto porque a MP tranca a pauta da Casa.

"Se acoplarmos as aposentadorias de um salário mínimo às demais, os governos seguintes não vão conseguir manter a política do presidente Lula. Até 2023 queremos inflação do ano mais o PIB [como correção do mínimo]. Agora, isso aí é um canto de sereia. Os aposentados pensam que estão ganhando, ganham no primeiro ano e começam a perder a partir do ano seguinte", disse o líder do PT, Cândido Vacarezza (SP).

Os líderes governistas reconhecem, nos bastidores, que terão dificuldade em rejeitar a matéria no plenário uma vez que a maioria dos deputados não quer enfrentar desgastes com os aposentados em ano pré-eleitoral. Por esse motivo, retiraram o tema de pauta. Sem a aprovação, a base poupa o presidente Luiz Inácio Lula da Silva do desgaste de vetar a iniciativa no ato da sanção da nova lei.

Desde cedo, os aposentados lotaram corredores da Câmara para pedir a votação da emenda. Os idosos reclamaram do governo federal, uma vez que coube à base aliada retirar a matéria de pauta.

Por GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

Veja também