Início > Notícias > ASSEMBLEIA APROVA CALENDÁRIO DE MOBILIZAÇÃO PARA INDICATIVO GREVE EM 28 DE MARÇO
ASSEMBLEIA APROVA CALENDÁRIO DE MOBILIZAÇÃO PARA INDICATIVO GREVE EM 28 DE MARÇO

  Reunidos na Faculdade de Economia na última quinta, 24/fev, cerca de 50 servidores aprovaram o calendário de mobilização para o Indicativo de Greve de 28 de março. A mesa da Assembleia foi coordenada pela coordenadora geral Bernadete Menezes e pela coordenadora de finanças Maria Antonieta Xavier. A Assembleia foi aberta com os Informes. O [...]

 

Reunidos na Faculdade de Economia na última quinta, 24/fev, cerca de 50 servidores aprovaram o calendário de mobilização para o Indicativo de Greve de 28 de março. A mesa da Assembleia foi coordenada pela coordenadora geral Bernadete Menezes e pela coordenadora de finanças Maria Antonieta Xavier.

A Assembleia foi aberta com os Informes. O coordenador de imprensa Fabiano Rosa iniciou fazendo o relato sobre a Marcha pela Campanha Salarial 2011 em Brasília. Destacou o grande número de caravaneiros, cerca de 6 mil, representando diversas entidades de servidores federais, destacando a FASUBRA que colocou por volta de 2 mil servidores na Marcha. Maria Antonieta relatou sobre a Plenária da FASUBRA ocorrida após a Marcha. Destacou sobre o grande número de participantes e a mobilização das diversas universidades pela Campanha Salarial 2011. Antonieta destacou a importância da luta contra a MP 520. Após passou a leitura do Calendário de Mobilização.

Berna fez uma explicação sobre a Medida Provisória (MP) 520 à Assembleia. Informou que a MP 520 foi assinada pelo Presidente Lula no último dia de seu governo (31/dez). Ela desvincula os Hospitais Universitários (HU´s) das universidades e cria uma Empresa Pública para gestão financeira e de pessoal, assim como ocorre no SERPRO e Correios. Dessa forma abre caminho para um novo modelo de gestão com parcerias públicas com a iniciativa privada como o Instituto Gerdau. Esse fará um modelo, a ser aplicado inicialmente na FUNASA, coincidentemente com a edição da MP 520 pelo ex-presidente Lula com os HU´s. Com a 520, os trabalhadores dos HU´s deixam de ser estatutários e passam as serem celetistas. Explicou que desde o governo FHC, os presidentes tem governado através de Medidas Provisórias. O presidente tem o poder de editar uma Medida Provisória (MP) sem passar pelo Congresso. Após a MP tem o prazo de validade de 60 dias até passar pelo Congresso. A MP 520 abre a possibilidade de parcerias dos HU´s com Planos de Saúde Privado, assim como ocorre com o nosso Hospital de Clínicas de POA, reduzindo o número de leitos para o SUS. Disse ainda que os atendimentos de alta complexidade passam em sua maioria pelos HU´s, sendo que tais atendimentos estarão cada vez mais restritos para a maioria da população com essa medida. A MP implementa ainda a lógica da Produtividade dentro dos Hospitais Universitários. Berna concluiu afirmando que a saúde não pode ser vendida.

A coordenadora de aposentados Salete Wiggers, fez o relato sobre o Encontro dos Aposentados da FASUBRA ocorrido no último dia 27 de fevereiro em Brasília. Iniciou falando sobre o atraso do início do Encontro quase não dando tempo para discutir temas importantes como o Reposicionamento dos Aposentados. Pela manhã os assessores dos deputados Arnaldo Farias e Andréa Zito (que não estiveram presentes) fizeram uma apresentação sobre as Propostas de Emenda à Constituição (PEC) 270 (que trata da aposentadoria por invalidez com paridade e integralidade e 555 (que trata do fim da contribuição previdenciária aos servidores aposentados). No período da tarde a psicóloga Sheila Murta da UNB palestrou sobre a preparação para uma aposentadoria saudável. Para Salete, no entender da psicóloga, “os aposentados deveriam ficar trancados em casa , esperando pela morte”. Salete destacou a intervenção de Bernadete que acabou animando a plateia ao destacar a necessidade de falarmos na “vida” após a aposentadoria e de que as pessoas não estariam se aposentando por questões financeiras e não por falta de perspectivas após. Salete destacou ainda que o Encontro não pode ser organizado em apenas um dia e que os aposentados estavam com disposição para discutir mais assuntos como Reposicionamento. Disse que ao final o coordenador geral Sílvio Corrêa teve muito pouco tempo para apresentar a discussão sobre o Reposicionamento dos Aposentados e relatar a reunião ocorrida com o Senador Paulo Paim sobre a PL 53/2011. Bernadete fez ainda um breve relato sobre a reunião com o Senador, destacando ser uma conquista da ASSUFRGS a edição da PL 53/2011 que trata do reposicionamento. Destacou ainda que a ASSUFRGS estaria encaminhando uma comunicação aos senadores Pedro Simon e Ana Amélia Lemos na busca de seus apoios e que os outros estados estariam pressionando seus representantes, havendo ainda a necessidade de mobilização.

A coordenadora Maria de Lourdes, a Lurdinha, finalizou os informes fazendo o relato sobre a reunião para organização do Encontro da Mulheres da FASUBRA. Disse que ficou acordado que o Encontro estaria suspenso enquanto durasse a greve e de que após estaria garantido a sua realização em Porto Alegre. Falou que a FASUBRA estará abrindo um link em sua página para receber textos e sugestões. Por fim, falou em nome de toda a coordenação, garantido que a ASSUFRGS manterá o seu encontro, iniciando no dia 20 de março com a Caminhada das Mulheres no brique da Redenção e com o Encontro no dia 21 de março ( a ASSUFRGS estará fazendo a divulgação em sua página).

Calendário de Mobilização e Indicativo de Greve

Berna iniciou a discussão lembrando que durante todo o ano de 2010 houveram diversas tentativas em marcar uma reunião com o governo para tratar dos diversos assuntos além da questão salarial para 2011. No segundo semestre  justificava-se a impossibilidadede reunião em virtude das eleições e após de que o governo estaria em transição. Em dezembro a plenária da FASUBRA deliberou um calendário de lutas, após os servidores federais se mobilizaram para organizar a Marcha à Brasília. Com essa mobilização o governo tratou de chamar uma reunião. Recebidos por Duvanier Paiva do MPOG, ouviram de que o governo não dava nenhuma perspectiva de aumento para 2011. Agora em fevereiro, a mobilização e o número de caravaneiros em Brasília surpreendeu a todos, inclusive a FASUBRA. Com isso, o MEC tratou de receber a FASUBRA. Porém o ministro Fernando Haddad não se comprometeu com o reajuste, mas demonstrou que o MEC estaria retrocedendo em relação a MP 520, garantindo a permanência do Controle Social para fazer a fiscalização da gestão das Empresas Públicas.

A partir dessa quadro, Bernadete reforçou a necessidade de estarmos mobilizados para a Greve a partir do dia 28 de março pela Campanha Salarial em 2011 e contra os ataques do governo Dilma contra o funcionalismo. Destacou a necessidade de organização de nossa categoria com reuniões nas unidades para preparação da Assembleia no dia 15 de março, com paralisação das unidades, que discutirá o início da greve em 28 de março. Lembrou da necessidade de uma Política Salarial e de estarmos mobilizados para contrapor a PL 543 (Era do Gelo) que congela o salário dos servidores federais por 10 anos, PL 248 que o servidor com 2 avaliações negativas está passível de demissão. Destacou ainda que devemos nos contrapor a PL dos Fundos de Pensão, que já foi aprovada mas falta ser regulamentada. Essa PL trata de que o servidor que ganhar acima do teto de R$ 3.500,00 deverá pagar um fundo de previdência privada para complementar a sua renda. Por fim argumentou que com os sucessivos recordes de arredação, o governo não tem justificativa para o corte de gastos, principalmente com a suspensão de concursos e congelamento dos nossos salários. Dessa forma o governo pretende apenas sinalizar ao mercado a sua austeridade na gestão, garantindo o pagamento das dívidas púbicas.

Zeca do Instituto de Artes manifestou a necessidade de divulgação de um calendário de 2 semanas das atividades no início da Greve. Destacou ainda a necessidade de incorporarmos as nossas bandeiras de lutas a Avaliação dos Servidores com a justa participação dos servidores, lembrando do perigo de demissões com a PL 248.

 

Iara Carbonell destacou que devemos aproveitar o momento de revolta contra a opressão do Estado nos países árabes e nos mobilizarmos e radicalizarmos contra as reformas do Estado implementadas pelo governo Dilma.

Fabiano Rosa reforçou a proposta de Zeca e destacou a importância da incorporação da discussão sobre a Avaliação em nossas lutas. Lembrou que a revolta no Egito originou-se também da instabilidade social criada a partir das reformas neoliberais do Estado. A coordenadora de saúde Vânia Guimarães destacou que a MP 520 é um ataque ao SUS, principalmente com a eleição do ministro Alexandre Padilha para a presidência do Conselho Nacional de Saúde. Disse tratar-se de um retrocesso a atrelação do CNS ao Ministério da Saúde, justificando que a partir de agora não haverá mais fiscalização das ações de saúde do governo.

A coordenadora Maria Antonieta destacou que a categoria não pode ficar esperando apenas pela coordenação da ASSUFRGS e o Conselho de Delegados. Reforçou a necessidade de mobilização da categoria para luta por nossas reivindicações. Lembrou que nenhum governo nos deu nada de graça e que só com a Luta vamos conseguir garantir e aumentar as nossas conquistas.

 

Por fim, a assembleia aprovou as propostas do companheiro Zeca de divulgação com muita mobilização de um calendário de 2 semanas na greve e da incorporação da Avaliação de Desempenho nas nossas bandeiras de lutas. Foi aprovado também a proposta de Bernadete da criação de Comandos Locais de Greve por Campus que se reunirão nas 2ª, 4ª e 6ª com atividades específicas e reuniões/assembleias coletivas nas 3ª e 5ª, com atividades concentradas, a partir da deflagração da greve em 28 de março. A Assembleia também aprovou o Calendário de Lutas como segue:

 

Calendário de Lutas

  • A partir de 28/fev – Agendamento e Reunião de Mobilização nas Unidades;

  • Dia 10 de março – Dia Nacional de Lutas;

  • Dia 15 de março – Paralisação e Assembleia para aprovação do Indicativo de Greve em 28 de março;

  • Dia 24 de março – Marcha à Brasília

  • Dia 28 de março – GREVE.

  •  

     

     

Veja as fotos da Assembleia: http://www.assufrgs.com.br/site2006/site_novo/?inc=galeria_mostra&galeria_id=346

Por Fabiano Rosa – coordenador de imprensa

Fotos: Lurdinha

Veja também