Início > Notícias > Avaliação do Comando Nacional de Greve do dia 7 de junho
Avaliação do Comando Nacional de Greve do dia 7 de junho

Completamos 11 dias de Greve. Neste momento de nossa luta, o CNG/FASUBRA, avaliando a conjuntura e o contexto em que se insere a luta dos trabalhadores(as) técnico-administrativos em educação, considera que o movimento vem capitalizando importantes conquistas neste período, que demonstra o acerto na deflagração da Greve e a necessidade do aprofundamento da luta, a partir dos desdobramentos da primeira reunião oficial de negociação com o Governo.

Completamos 11 dias de Greve. Neste momento de nossa luta, o CNG/FASUBRA, avaliando a conjuntura e o contexto em que se insere a luta dos trabalhadores(as) técnico-administrativos em educação, considera que o movimento vem capitalizando importantes conquistas neste período, que demonstra o acerto na deflagração da Greve e a necessidade do aprofundamento da luta, a partir dos desdobramentos da primeira reunião oficial de negociação com o Governo.

O movimento tem a clareza dos desafios colocados pela conjuntura, que demanda uma ação firme por parte da FASUBRA, na busca de efetivação de um processo concreto de negociação que indique possibilidades concretas de ganhos para o conjunto da categoria. Temos a consciência de que a nossa luta está no caminho correto, pois a partir de nossa persistência, do ponto de vista do eixo geral, conseguimos influenciar o parlamento, acerca das contradições do PLP -1/2007 ao fortalecimento do Estado e a valorização de seus servidores.

Da mesma forma, entendemos que a manutenção da reunião do dia 06 de junho, com o Governo, e o reconhecimento da legitimidade de nossa luta e reivindicações, demonstra que conseguimos instalar logo no início da Greve, uma Agenda de Negociação, onde precisamos qualificar a nossa intervenção, para que possamos garantir a manutenção dos princípios defendidos pelo conjunto da categoria, ao mesmo tempo em que avançarmos rumo a evolução da tabela, tendo como referencial o piso salarial de setores do funcionalismo público do executivo, que encontram-se acima do nosso piso.

A fala do Governo, afirmando que é necessário buscar um bom termo para o impasse surgido com a Greve, coloca como tarefa para o conjunto da categoria, representado por este CNG, o investimento e a defesa desse espaço de negociação, que só foi conseguido, a partir de nossa organização e coesão nacional, de nossa luta e persistência, mas também da nossa capacidade de articulação com os setores organizados da sociedade donde obtivemos apoio ao nosso movimento, cristalizado na ação firme da CUT, do Parlamento (Bancada do PT e PCdoB) e da ANDIFES.

O CNG avalia, que embora tenhamos que reconhecer que estamos avançando positivamente, neste início da Greve, com a possibilidade concreta de negociação, quando o governo já confirma Agenda para o próximo dia 15 de junho, com apresentação de propostas na Mesa, temos que ter cautela no desenrolar do processo, mesmo apostando na sua efetivação. Portanto devemos avaliar cada passo dado neste movimento com a sabedoria característica de nossa base. Sabemos que um processo de negociação demanda em algum momento, de ambas as partes – governo e bancada sindical, avaliar o momento e a capacidade de elaboração e re-elaboração do conteúdo de propostas, visando superação de impasses que porventura possam ocorrer no transcorrer da negociação.

Diante do exposto,o CNG entende, que é necessário mais informações por parte do Governo acerca dos desdobramentos do processo negocial, que serão apresentados no próximo dia 15, em relação ao aprimoramento da Carreira, Evolução da Tabela, Recursos para o Plano de Saúde Complementar e eixo emergencial.

Temos que estar atentos a nossa luta em Defesa dos HU´s e contra a transformação destas unidades acadêmicas em Fundação Estatal de Direito Privado. Por isso a partir desta data estaremos intensificando nossas ações no MEC, buscando o encaminhamento do debate acerca dos HU´s, da forma apresentada pela FASUBRA, que não se exime de debater o diagnóstico dos HU´s, só que na lógica de fortalecê-los enquanto instrumentos estratégicos, para a formação de estudantes, produção de conhecimentos e assistência com qualidade social a um grande contingente da população, que em algumas regiões só tem nos HU´s um atendimento publico e de qualidade.

O CNG avalia a importância da Luta, o momento importante da Greve e a necessidade da intensificação da mobilização, para que possamos avançar nas negociações concretamente acenadas pelo Governo.

FORÇA NA LUTA

O CNG orienta:

INTENSIFICAÇÃO DA LUTA NA SEMANA DE 11 A 15 DE JUNHO ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DAS SEGUINTES AÇÕES :

I – HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS

Ações nas Universidades :
- Destacar esta Semana “Em Defesa dos HU´s”
- Construção de uma Noite de Vigília no dia 13 de junho – desenvolvendo atividades nos HU´s, que dêem visibilidade a esta Luta: Velas acesas, distribuição de panfletos – dialogando com os usuários dos HU´s, convidar a Imprensa, Atos em frente aos HU´s.
- Pauta nas Assembléias Legislativas e Câmara dos Vereadores o debate acerca dos HU´s, na luta contra a sua transformação em Fundação Estatal.

Ações em Brasília:
- Entre do Abaixo Assinado em Defesa dos HU´s, no dia 13 de junho ao:
o Ministério da Educação, Ministério da Saúde, Ministério da Ciência e Tecnologia, Ministério do Planejamento, Conselho Nacional da Saúde, ANDIFES, Presidência da República.

- Atenção!!! Reforçamos a orientação de que seja ENCAMINHADO EM CARÁTER DE URGÊNCIA, OS ABAIXO ASSINADO PARA QUE POSSAMOS DESENVOLVER A AÇÃO ACIMA.
- Encaminhar Ofício ao MEC, cobrando a formalização do processo de institucionalização do Fórum Nacional de Debate acerca dos HU´s e o comprometimento de nenhuma ação por parte daquele Ministério, transformando os HU´s em Fundação Estatal, antes do esgotamento do debate nacional.
- Agendar reunião com a Secretaria de Gestão do MPOG.
- Encaminhar ofício a ANDIFES, solicitando posição da entidade frente a proposta da FASUBRA relacionada ao tema dos HU´s.

II – AÇÕES GERAIS NO CAMPUS CENTRAL DAS UNIVERSIDADES
- Atos nas Reitorias
- Realização de Assembléias Gerais em espaços abertos para dar visibilidade ao movimento
- Panfletagem sobre o motivo de nossa Greve no momento de realização das AG´s.
- Fazer manifestações nas entradas principais das Universidades
- Solicitar posição dos Conselhos Superiores: Contra a transformação dos HU´s em Fundação Estatal e em apoio a nossa Greve.
- Construção de Panfleto, trabalhando o eixo específico de nossa Greve, dialogando com o eixo geral.
- Universidade nas Ruas: oferecendo atividades de profissionais de saúde (pressão, exames de glicose, etc…)
- Encaminhar e-mail pela base: ao MEC, ao MPOG, Assembléias Legislativas e Câmaras de Vereadores.
- Buscar os servidores da área da Saúde (estadual e municipal), para explicar o significado das Fundações Estatais.

III – ATIVIDADES PARA O CNG
- Realização de Oficina para o CNG acerca do PGPE – Plano Geral do Poder Executivo.

IV – CARAVANAS
O CNG avaliará o momento oportuno para convocar as Caravanas, tendo por parâmetros: avanço das negociação da FASUBRA – necessidade de pressão política para atingir os objetivos da categoria.

V – O CNG SOLICITA O ENVIO DE INFORMAÇÕES DO PERCENTUAL NÍVEL DE PARALIZAÇÃO NAS IFES. Estas informações serão de consumo interno do CNG.

VI – ORIENTAÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO DOS APOSENTADOS NA GREVE
O CNG/FASUBRA, solicita aos CLG´s, que conclamem os aposentados e aposentandos das IFES a participar da Greve, estando presentes em todas as assembléias e atos que serão realizados nesse período. A participação nesse movimento, é fundamental, pois o eixo da Greve diz respeito a luta unificada do conjunto da categoria (ativos e aposentados). Cabe ressaltar que as implicações do PLP-01/2007, que provoca um arrocho salarial, trará conseqüências danosas ao conjunto da categoria. Além disso os trabalhadores aposentados e aposentandos deve participar ativamente do debate acerca dos desdobramentos do encaminhamento da negociação do eixo específico, acerca do aprimoramento da Carreira, evolução da tabela, resolução do VBC, recursos para o Plano de Saúde Complementar.
Com base em todas essas questões, é fundamental a participação dos aposentados nesta greve, para tanto reafirmamos o posicionamento histórico da FASUBRA, quanto à participação dos mesmos nas atividades da greve. O respeito, a dedicação que sempre nortearam a política da federação aos aposentados, devem continuar sendo o elemento propulsor do movimento, para que continuemos sendo a única categoria a manter a paridade entre ativos e aposentados.
Orientamos a todos os comandos de greve locais, para mobilizar aos aposentados (as) e aposentandos da forma que lhes convier.
FAVOR REPASSAR A TODOS(AS) APOSENTADOS.
PELA MANUTENÇÃO DA PARIDADE E DA INTEGRALIDADE.

VII – REFORÇAMOS A NECESSIDADE DE ENCAMINHAMENTO DAS MOÇÕES EM APOIO A NOSSA GREVE, APROVADO PELOS CONSELHOS SUPERIORES, ASSEMBLÉIAS, CAMARAS E DE PARLAMENTARES. ESTAS SERÃO PUBLICADAS NO INFORMATIVO DE GREVE.

Veja também