Início > Notícias > Coordenação da Assufrgs apresenta entidade para os novos servidores da Ufrgs
Coordenação da Assufrgs apresenta entidade para os novos servidores da Ufrgs

Os coordenadores da Assufrgs tiveram a oportunidade de apresentar a história de lutas da Entidade para os novos servidores da Ufrgs. A exposição ocorreu durante o seminário de "Formação Geral para Ingressantes da Ufrgs", promovido pela Progesp, na quinta-feira, 6 de maio, no auditório da Faculdade de Economia. A conversa iniciou com a apresentação de [...]

Os coordenadores da Assufrgs tiveram a oportunidade de apresentar a história de lutas da Entidade para os novos servidores da Ufrgs. A exposição ocorreu durante o seminário de "Formação Geral para Ingressantes da Ufrgs", promovido pela Progesp, na quinta-feira, 6 de maio, no auditório da Faculdade de Economia.

A conversa iniciou com a apresentação de um vídeo institucional de 3 minutos, produzido pela assessoria de imprensa, com imagens das várias lutas e mobilizações que a Assufrgs, protagonizou junto com outras entidades como a Fasubra, em defesa do serviço público e da Universidade.

José Luis Rockenbach (Neco) iniciou explicando o que era a Assufrgs e a importância da entidade para as lutas dos servidores. “A entidade serve para defender os nossos direitos e mesmo quando era associação e os servidores públicos não tinham direito a sindicalização, antes da Constituição de 88,  ela sempre foi um instrumento de luta. Fizemos greves antes e de lá para cá continuamos lutando. Não só por questões corporativas da categoria, mas em defesa da universidade pública e da sua expansão. Se hoje vocês estão aqui foi porque nós lutamos por concurso público, se hoje tem plano de carreira foi porque nós nos mobilizamos”.

Neco também relatou a forma como é composta a diretoria, proporcionalmente, conforme o número de votos de cada chapa que concorre nas eleições.  Além das questões políticas  falou da colônia de férias de Garopaba, da sede campestres, das sedes do centro, do campus do vale e dos convênios.

Para concluir, a coordenadora Bernadete Menezes (Berna) disse que além das lutas específicas como a eleição para reitor em que o peso do voto do servidor e dos alunos é de 15%, para cada segmento, em relação ao dos professores que têm o peso de 70%, a maioria das lutas se dão em nível nacional. “Por isto que nós estamos organizados, nacionalmente, através da Federação (Fasubra) que engloba todas as associações e sindicatos das universidade brasileiras.  Por exemplo, para o próximo ano, não temos perspectiva de reajuste de salário, porque a última parcela do acordo de greve de 2007, será pago agora no meio do ano. O Governo tem por lei que reajustar o salário anualmente, mas o índice que ele irá aumentar é de 0,01%, para cumprir a legislação”, destacou.

Para Bernadete “sozinhos não é possível conseguir nada”, por isso a importância de se ter unidade nas lutas. “Foi assim que conquistamos o plano de saúde, tudo que hoje vocês têm no contracheque foi o resultado das lutas da categoria dos técnico-administrativos de todo o país”, afirmou.

Bernadete também destacou que nem só de lutas vive a categoria. “Nós temos um conjunto de serviços e atividades para congregar a categoria, como a Festa do Dia das Mães, que vai ocorrer agora, a festa do Dia Das Crianças, dos Pais e de final de ano”, relatou.

O coordenador da Assufrgs, Sílvio Corrêa, anteriormente tinha falado como membro da CIS e destacou os problemas e a legislação do plano de carreira, mas naquele momento foi incisivo em convidar os novos servidores a participarem da entidade. “É fundamental que todos participem, principalmente neste momento de construção de uma nova universidade, queremos e somos parte fundamental deste processo. Se sintam incluídos e nós precisamos muito de sangue novo nesta luta, se vocês perceberem, a maioria da nossa categoria é constituída de pessoas idosas, que nos próximos anos estarão se aposentando, nas manifestações, vocês podem prestar atenção que existe um conjunto de pessoas de cabeça branca, que estão sempre aí nas lutas”.

Sílvio também faltou dos vários grupos de trabalho que existe na Assufrgs, como os Aposentados, GT de Carreira, GT Antirracismo, GT Mulher, GT Educação, GT Segurança, e do conselho de delegados que reúne o pessoal de cada uma das unidades. “Não se sintam só nesta universidade venham para o sindicato, nos procurem…”, concluiu.

Os novos servidores da Ufrgs receberam exemplares do Boletim da Assufrgs, uma agenda personalizada e proposta para se filiar a entidade. Além dos coordenadores gerais também estava presente os membros da CIS e o coordenador de cultura, esporte e lazer, Mozarte Simões.

Texto e fotos Luis Henrique Silveira

Veja também