Início > Notícias > Disparo de calibre 12 que matou sem terra teria partido de oficial da Brigada Militar
Disparo de calibre 12 que matou sem terra teria partido de oficial da Brigada Militar

Adão Paini, ex-ouvidor agrário do Estado e ex-ouvidor da Secretaria de Segurança Pública, me telefona relatando que recebeu informações de que o sem terra Eltom Brum da Silva, de 44 anos, foi morto por um oficial da Brigada Militar com um disparo de espingarda calibre 12. Além dos abusos e irregularidades envolvendo a ação policial [...]

Adão Paini, ex-ouvidor agrário do Estado e ex-ouvidor da Secretaria de Segurança Pública, me telefona relatando que recebeu informações de que o sem terra Eltom Brum da Silva, de 44 anos, foi morto por um oficial da Brigada Militar com um disparo de espingarda calibre 12. Além dos abusos e irregularidades envolvendo a ação policial na fazenda Southall, Paiani chama a atenção para a gravidade de um fato: o comando da Brigada Militar está tentando esconder o que aconteceu. De fato, em um primeiro momento, a Brigada disse que a morte foi causada por um “mal súbito”. As informações prestadas pelo hospital de São Gabriel já desmentiram essa versão, confirmando que a morte foi causada por disparo de arma de fogo.

Neste momento, diz ainda Paiani, é fundamental que todas as armas dos policiais envolvidos na ação sejam recolhidas para perícia. Além disso, acrescenta, é preciso recolher as cautelas de todos os policiais que estavam na fazenda Southall. As cautelas são uma espécie de recibo que todos os policiais devem assinar ao receber uma arma para uma ação. O Ministério Público deve entrar em campo imediatamente para garantir que isso seja feito, defende o ex-ouvidor, evitando que oficiais tentem responsabilizar um soldado pela morte. Ele assinala ainda que a utilização de armas calibre 12 neste tipo de ação é expressamente proibida. “É mais um cadáver no colo do governo Yeda”.

O deputado estadual Dionilso Marcon (PT), que acompanha a identificação do corpo no hospital, diz que Elton foi morto com um tiro de calibre 12 pelas costas. Os 700 sem terra que ocupavam a fazenda Southall desde quarta-feira passada (12) permanecem isolados no local. A advogada das famílias só teve acesso à área no início desta tarde. O número de feridos com estilhaços, espadas e mordidas de cachorros é maior do que as catorze pessoas anunciadas pela Brigada.

A ocupação reivindicava a aplicação dos recursos para saúde, educação e infra-estrutura nos assentamentos da região e desapropriação do restante da Fazenda Southall e a liberação imediata, na Justiça, das fazendas Antoniazzi e 33, em São Gabriel, para o assentamento das famílias acampadas no Estado.

Marco Weissheimer
Fonte Blog RS Urgente

Veja também