Início > Notícias > Governadora Yeda começa ataque às Fundações do Estado
Governadora Yeda começa ataque às Fundações do Estado

governadora Yeda Crusius já começou o ataque às Fundações do Estado. De acordo com matéria publicada no Jornal Correio do Povo de ontem, 7/2, começou a circular entre técnicos do governo, um documento que aponta as estatais e os órgãos da administração que poderão ser extintos.

A governadora Yeda Crusius já começou o ataque às Fundações do Estado. De acordo com matéria publicada no Jornal Correio do Povo de ontem, 7/2, começou a circular entre técnicos do governo, um documento que aponta as estatais e os órgãos da administração que poderão ser extintos. Entre esses órgãos se destaca a Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS).

De acordo com o documento, a FGTAS estaria entre as empresas marcadas em vermelho, ou seja, passível de ser extinta ou liquidada a curto e médio prazo. De acordo com o levantamento que será apresentado ao secretariado na sexta-feira, 9/2, também estão marcadas em vermelho a Cesa (Cia. Estadual de Silos e Armazéns), a Ciel (Cia. de Indústrias Eletro-químicas) e a Zoperg.

Neste documento, também segundo o Jornal Correio do Povo, outras empresas estariam marcadas em laranja. Essas teriam seu destino analisado posteriormente. Entre elas estão a Uergs, a Fundação Theatro São Pedro (FTSP), a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Fospa) e a Fepps. Para a Uergs, uma das alternativas seria transformá-la em uma universidade voltada especificamente à pesquisa tecnológica, ficando vinculada à Secretaria de Ciência e Tecnologia. Quanto à FTSP, Fospa e Fepps, deixariam de ser Fundações, não ficando claro em que se transformariam. Além dessas Fundações, a FDRH também está na alça de mira de Yeda e Feijó. Ela seria transformada em Escola de Gestão, sendo responsável apenas pela atualização e qualificação dos servidores do Estado.

Na categoria amarelo, ou seja, empresas que necessitariam de modernização, estão a Corsan, a Ceasa e a Faders. Por último, estão as empresas com sinal verde. Estas dependeriam apenas de ajustes na sua estrutura. Entre elas, são citadas no documento a Fase, a Corag e a Fapers. A TVE e a FM Cultura, atualmente vinculadas à Secretaria da Cultura, deverão ficar subordinadas diretamente ao Piratini.

Veja também