Início > Notícias > Greve esquenta na UFRGS
Greve esquenta na UFRGS

Após dois dias de arrastão pelos campi da Universidade, a greve cresce na Ufrgs. Na manhã desta quinta-feira (31) nem o frio impediu que os servidores lotassem o saguão da Reitoria para a primeira Assembléia Geral após a deflagração da greve no dia 28.

Após dois dias de arrastão pelos campi da Universidade, a greve cresce na Ufrgs. Na manhã desta quinta-feira (31) nem o frio impediu que os servidores lotassem o saguão da Reitoria para a primeira Assembléia Geral após a deflagração da greve no dia 28. Além dos técnico-administrativos paralisados, um grande número de aposentados, que estão engajados na luta, também participou da atividade.

Depois de um completo café da manhã servido pelo Comando de Greve, partiu-se para a avaliação do movimento e os encaminhamentos. A Assembléia contou com o apoio de representante do DCE e da diretora do Cpers Sindicato Neiva Lazzaroto.

Na parte de leitura dos informes encaminhados pela Fasubra, um dos destaques foi o crescimento do movimento em nível nacional que, até aquele momento já contava com 33 universidades em greve. As reuniões do comando nacional com o presidente da Andifes, realizada na quarta, e com o ministro do Trabalho, prevista para a tarde desta quinta, foram colocadas como conquistas da mobilização.

A expectativa maior, no entanto, está na reunião que deverá ocorrer na próxima quarta-feira, dia 6, do comando nacional com o ministro do Planejamento, já que é nesse Ministério que estão concentradas as maiores dificuldades para atendimento da pauta de reivindicações.

Como tem feito desde o início do movimento, o DCE enviou um representante à assembléia para manifestar seu apoio e solidariedade à luta dos servidores. O Diretório está programando para a manhã de terça-feira, dia 5, uma manifestação em defesa da valorização da universidade pública. O ato será mais uma demonstração de solidariedade dos alunos à situação dos técnico-administrativos de todo o país e aos estudantes da USP que invadiram a Reitoria daquela instituição.

Nas avaliações, houve consenso da necessidade de avançar o movimento na UFRGS e da unidade com os demais servidores em greve no Estado, tanto os federais como os municipários de Porto Alegre. Também foi salientada a importância de todas as Unidades indicarem um representante para o CLG.

Logo após, a Assembléia aprovou o nome de quatro colegas, indicados pelo CLG, para representar a Ufrgs no Comando Nacional de Greve e na Plenária dos SPFs neste final de semana em Brasília. Ao eles: Celso Alves (Dacom), Rose (HCV), Júlio (Marcenaria) e Chacal, como suplente.

Serviços essenciais

Devido a problemas que já começam a ocorrer, o CLG orienta que serviços essenciais são aqueles que põem a vida em risco, ou seja, relacionados à saúde e segurança. Todas as questões que surgirem devem ser encaminhadas à Comissão de Ética que fará plantão na Assufrgs todas as segundas-feiras, a partir das 15h. Ou ainda podem ser enviadas para o e-mail da secretaria:
secretaria@assufrgs.com.br

Por Katia Marko e Clarice Siedler

Veja também