Início > Notícias > Militantes do CPERS são presos durante Dia Nacional de Greve
Militantes do CPERS são presos durante Dia Nacional de Greve

Militantes do CPERS são presos durante Dia Nacional de Greve

Oito professores estaduais e um estudante da Ufrgs foram detidos pela Brigada Militar na manhã desta sexta-feira (14), quando participavam de manifestação do Cpers/Sindicato no Centro Administrativo do Estado. No grupo estão dois diretores do Cpers. A categoria realiza um dia de lutas pela aprovação do piso nacional da categoria e de protesto contra o desmonte da educação no Rio Grande do Sul. Eles querem discutir as transferências de turmas e o fechamento de escolas no RS diretamente com a governadora Yeda Crusius.

Cerca de 400 professores e funcionários de escola concentram-se na avenida Borges de Medeiros, em frente ao prédio, e uma centena de docentes teve acesso ao saguão do Centro Administrativo. A Brigada Militar foi acionada e interveiu. Relatos de integrantes do Cpers dão conta de que os policiais chegaram a utilizar bombas de gás lacrimogênio durante o conflito com os manifestantes.

Professores marcham até o Piratini para acompanhar audiência com Busatto

Professores e funcionários das escolas públicas estaduais dirigem-se em passeata do Centro Administrativo do Estado em direção à Praça da Matriz neste momento. Eles pretendem acompanhar a audiência prevista entre a direção do Cpers Sindicato e o Chefe da Casa Civil, Cezar Busatto. O encontro foi garantido em negociação entre ambas as partes após o conflito entre os docentes e soldados da Brigada Militar no saguão do Centro Administrativo, que resultou na detenção de oito manifestantes, entre eles dois diretores do sindicato. Os docentes aceitaram deixar o local sob a garantia da liberação dos professores detidos pela BM e encaminhados ao Palácio da Polícia durante a manhã desta sexta-feira (14).

A categoria realiza manifestação desde as primeiras horas da manhã para marcar a luta dos educadores pela aprovação do piso salarial nacional da categoria e para protestar contra o sucateamento do ensino no Rio Grande do Sul. Eles querem discutir o fechamento de escolas e a junção de turmas patrocinada pelo governo Yeda Crusius.

Fonte: CPERS

Veja também