Início > Notícias > Movimentos rurais lançam manifesto em defesa da reforma agrária
Movimentos rurais lançam manifesto em defesa da reforma agrária

Movimentos sociais do campo divulgaram hoje um manifesto em defesa da Reforma Agrária, dos direitos territoriais e da produção de alimentos saudáveis. Para tanto, as organizações prometem um processo de luta unificada. O documento foi produzido durante o Seminário Nacional de Organizações Sociais do Campo, realizado em Brasília, na segunda (27) e terça-feira (28) para [...]

Movimentos sociais do campo divulgaram hoje um manifesto em defesa da Reforma Agrária, dos direitos territoriais e da produção de alimentos saudáveis. Para tanto, as organizações prometem um processo de luta unificada. O documento foi produzido durante o Seminário Nacional de Organizações Sociais do Campo, realizado em Brasília, na segunda (27) e terça-feira (28) para aprofundar o debate e estabelecer estratégias de mobilização em torno da luta pela terra.

 O documento também reivindica o desenvolvimento rural, com investimento em agroecologia e garantia de direitos sociais aos trabalhadores rurais, visando o fim das desigualdades. As entidades de trabalhadores rurais consideram o encontro “um momento histórico, um espaço qualificado, com dirigentes das principais organizações do campo que esperam a adesão e o compromisso com este processo”.

 O modelo de produção de commodities agrícolas baseado em latifúndios, na expulsão das famílias do campo e nos agrotóxicos também é condenado no manifesto.

 ”O agronegócio representa um pacto de poder das classes sociais hegemônicas, com forte apoio do Estado Brasileiro, pautado na financeirização e na acumulação de capital, na mercantilização dos bens da natureza, gerando concentração e estrangeirização da terra, contaminação dos alimentos por agrotóxicos, destruição ambiental, exclusão e violência no campo, e a criminalização dos movimentos, lideranças e lutas sociais”, diz um trecho do texto.

 

Durante a mesa de abertura no primeiro dia do evento, no auditório do Centro de Estudo Sindical Rural (Cesir/Contag), o secretário de Política Agrária da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Willian Clementino, lembrou que o seminário acontece no momento em que os movimentos acumularam reflexões durante os últimos anos que levam a uma pauta unificada.

 ”Precisamos buscar e zelar pela construção de ações conjuntas dos movimentos sociais e, para isso, temos que ter maturidade, sabedoria e fraternidade para realizar essas ações do ponto de vista coletivo, independente das ações individuais de cada organização. Acreditamos que em 2012 a pauta de reforma agrária do Grito da Terra Brasil possa ter consenso com a pauta do Abril Vermelho, da Jornada da Agricultura Familiar, ações das mulheres e de outras ações promovidas pelas organizações sociais do campo brasileiro”, afirmou Clementino.

 Rosângela Piovisani Cordeiro, do Movimento de Mulheres Camponesas e da Via Campesina Brasil, fez uma reflexão crítica sobre a articulação dos movimentos e da falta de avanços nas pautas do campo.

 ”Temos que ter, de fato, essa capacidade da articulação e dizer ao governo que dessa forma não dá. A ideia é chegar a um consenso de alguns pontos nesse seminário e amanhã dialogar com o parlamento e o governo e apresentar quais questões que não abrimos mão”, desabafou.

 O representante do MST, José Batista, apontou desafios enfrentados pelos movimentos sociais que lutam pela terra, como a dificuldade de pautar a reforma agrária no governo e na sociedade. “No ano passado, o governo cedeu algumas coisas no processo de negociação das dívidas apenas com a pressão conjunta dos movimentos”, disse.

 O professor Guilherme Delgado, que é membro da Associação Brasileira de Reforma Agrária (Abra) e aposentado do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), fez uma análise de conjuntura do cenário agrário brasileiro, definindo o agronegócio como um modelo que incentiva o acúmulo de capital e concentração de terra.

 ”Essa acumulação é inimiga da função social e ambiental. Por isso, não permitem a revisão dos índices de produtividade da terra e colocam em votação um novo Código Florestal. Esse movimento de valorização e concentração fundiária persegue o conceito da renda fundiária nas terras, nas minas, nos campos petrolíferos e nas quedas d’água, que trazem um lucro extraordinário que só é possível a partir da mediação do governo”, atesta Delgado.

http://www.diap.org.br/index.php/noticias/agencia-diap/19800-movimentos-rurais-lancam-manifesto-em-defesa-da-reforma-agraria

Com informações do DIAP  – (Fonte: Contag e MST)

Este post ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Veja também