Início > Notícias > Nota pública da coordenação da Assufrgs contra os retrocessos
Nota pública da coordenação da Assufrgs contra os retrocessos

Defesa da democracia e contra qualquer ataque a direitos sociais

Diante dos fatos que têm agitado o país nos últimos dias, a coordenação da Assufrgs (Sindicato dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação da UFRGS, UFCPA e IFRS) manifesta seu repúdio a qualquer tentativa de ataque às garantias constitucionais e democráticas conquistadas pelo povo brasileiro. Repudiamos veementemente a tentativa de impeachment, golpe da direita. Não admitimos ataques à democracia e ao voto popular, instrumentos de defesa da classe trabalhadora.

O viés político-seletivo das decisões do judiciário só atende ao afã golpista da direita, marcadamente elitista e autoritária. As corporações de mídia fazem mais uma vez seu papel sujo distorcendo fatos e ocultando outros. É preciso denunciar os interesses escusos que conduzem esses setores. O debate democrático das ruas e redes sociais é o modo de furar os monopólios midiáticos.

Corruptos devem ser investigados e punidos independente do partido que defenda. Não é possível ser conivente com o desvio de recursos, que sempre faltam para saúde e educação. Tampouco concordamos com a política econômica entreguista adotada pelo governo Dilma-PT.

A crise econômica e política não será resolvida com ataques a direitos dos trabalhadores e retrocessos às conquistas recentes. Isso é o que quer a direita, atendendo aos interesses da burguesia – a mesma que banca as campanhas e serve filé mignon para os manifestantes na Av. Paulista. Pelo fim imediato do ajuste fiscal! É preciso avançar nas conquistas, garantir os salários, os empregos, o poder de compra dos trabalhadores, auditar a dívida pública, retomar os investimentos públicos em áreas sociais, reduzir os juros e reafirmar a soberania nacional sobre os recursos naturais, notadamente sobre as reservas do pré-sal.

Vamos às ruas por direitos e democracia. Contra o golpismo! Contra o impeachment! Por democracia! Por melhorias sociais!

Não vai ter golpe! Vai ter luta!

5 comentários para "Nota pública da coordenação da Assufrgs contra os retrocessos"

  1. Carlos março 18th, 2016 11:52 am Responder

    Precisamos ter muita atenção para não servir a qualquer interesse partidário, principalmente aos que servem-se do poder em prol de seus interesses. Distribuir benefícios para conquistar simpatia e apoio popular, remete a outros tempos onde determinados governantes cometeram absurdos usando o povo como justificativa. O Brasil sempre será maior que qualquer partido, precisamos de ética, transparência, respeito a coisa pública, afinal o cidadão seguidor da lei não teme a verdade.
    Importante é lutar contra a corrupção, desmontando qualquer manobra visando proteger, blindar, ocultar ou livrar da justiça pessoas ligadas a corrupção, desvio de verbas ou prevaricação.
    Ninguém ou qualquer partido pode colocar-se acima da Lei, cabe investigar e punir todos, assim o povo voltará a confiar nas instituições como um todo.

  2. Vera Lúcia da Silva Antunes março 18th, 2016 12:52 pm Responder

    Concordo plenamente que os corruptos devem ser punidos e presos independente de partidos. Sou a favor do impechment, e acho que golpe é o que nos deram nesses 13 anos de PT.
    Vera.

  3. Paulo Silva março 19th, 2016 17:59 pm Responder

    Interessante como continuam censurando opiniões, defendem a democracia segundo uma determinada ótica ?

  4. Márcio março 22nd, 2016 11:39 am Responder

    Acho que nosso sindicato tem que primeiro ver a opinião da maioria de seus filiados, para poder se manifestar contra ou a favor de qualquer coisa, falar em derrubada de direitos, isto vemos todos dias em qualquer governo,o que não podemos de forma alguma é apoiar um governo corrupto destes.

  5. LUIZ JORIS março 23rd, 2016 14:01 pm Responder

    Servidor público que apoia o impeachment de DILMA deve ter tanta saudade do governo FHC ( só não acabou de vez com o serv. público por falta de mandato), que agora anseia por MICHEL TEMER presidente, ELISEU PADILHA vice e JOSÉ SERRA, ministro da fazenda.

Deixe seu comentário

Veja também