Início > Notícias > Novo presidente da Andifes visita a Fasubra
Novo presidente da Andifes visita a Fasubra

O Reitor da UFU, Prof. Arquimedes Diógenes Ciloni, esteve no CNG da FASUBRA para fazer uma saudação a FASUBRA e aos Delegados(as) do CNG, na qualidade de recém empossado ao cargo de Presidente da Andifes.

O Reitor da UFU, Prof. Arquimedes Diógenes Ciloni, esteve no CNG da FASUBRA para fazer uma saudação a FASUBRA e aos Delegados(as) do CNG, na qualidade de recém empossado ao cargo de Presidente da Andifes.

A FASUBRA saudou o Presidente da ANDIFES, informando que neste momento da luta dos trabalhadores(as) técnico-administrativos é importante a presença da ANDIFES na FASUBRA, e que espera seja dado continuidade a relação profícua entre FASUBRA e ANDIFES, resguardando as diferenças institucionais.

Com a palavra o Professor Arquimedes, colocou o significado da representação política da ANDIFES, que mesmo em Greve, prioriza a manutenção das relações com as entidades que tem interface com o fazer dos dirigentes das IFES. Colocou que a atual gestão da ANDIFES, definiu como prioridade nas ações da entidade para o período: O DEBATE ACERCA DOS HU´S; AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA; BOLSA PERMANÊNCIA PARA OS ESTUDANTES CARENTES; PROJETO REUNE – EXPANSÃO DO SISTEMA FEDERAL.

Reiterou a preocupação da ANDIFES, com a falta de recursos para o Plano de Assistência à Saúde Suplementar, para os trabalhadores(as) das Universidades e com relação ao Aprimoramento da Carreira. Manifestou ao MEC esta preocupação e está no aguardo de uma posição do MEC acerca das mesmas.

Do ponto de vista geral destacou que neste momento da conjuntura, entende como estratégico o envolvimento da Universidade na Recuperação da Escola Pública, aproveitando que existe um cenário positivo neste sentido. Destacou ser o momento propício para uma luta conjunta de todos setores da sociedade pela recuperação da Escola Pública.

A concentração do foco de atuação da ANDIFES neste momento, também possui a preocupação com relação a aspectos de gerenciamento das Universidades e com relação aos HU´s, concorda com a FASUBRA que deve ser debatido o diagnóstico dos HU´s e as alternativas para superação dos problemas já identificados.

Recuperou o trabalho desenvolvido pela ANDIFES, quando da construção do processo de contratualização, que cumpriu um importante papel, mas que hoje os mesmos problemas já retornam com o endividamento e a permanência da terceirização. A expectativa da ANDIFES, é a de que após o debate surja uma alternativa que supere a situação atual, de privatização e terceirização, que não se iniciou no governo Lula. Acrescentou ainda que a ANDIFES solicitou ao MEC e ao MS que seja retomada os trabalhos da Comissão de Contratualização, sem reunião desde novembro de 2006.

Destacou uma preocupação sobre o pagamento de Plantão nos HU´s, que acontece de forma muito diversificada. Neste sentido o MEC informou à ANDIFES, que a Lei dos Plantões já está na Casa Civil, para ser enviada ao CN. Acrescentou que criando rubricas específicas, será resolvido o problema enfrentado pelos reitores. A FASUBRA solicitou acesso a Minuta da Lei. O Presidente da ANDIFES ficou de providenciar.

Destacou que a ANDIFES fará uma cobrança ao Ministro Paulo Bernardo do MPOG, que havia se comprometido a estudar o quadro de pessoal dos HU´s, visando uma liberação de vagas para concurso público.

Com relação ao modelo de Fundação Estatal – colocou que a ANDIFES não tem posição fechada, pois ainda não debateu este tema no pleno. A ANDIFES defende o debate, envolvendo todos os setores, nacionalmente organizados, para depois encaminhar o debate nos CONSUNI. Reafirmou que a ANDIFES é favorável a proposta que a FASUBRA encaminhou ao MEC, acerca da metodologia de discussão do tema relativo aos Hospitais Universitários.

Com relação ao momento atual da luta dos trabalhadores técnico-administrativos, colocou que embora a ANDIFES tenha se posicionado através de ofício enviado ao MEC, relatando uma situação que problematiza a gestão, dado a realidade enfrentada, que dificulta as contratações de profissionais da Classe E, dado o baixo piso de salário da categoria, informou que a lógica da ANDIFES não é a de compactuar ou estimular nenhuma disputa entre a categoria (entre os níveis ou classes), e nem apoiar nenhum fórum paralelo criado. Reconhece a FASUBRA como interlocutora legítima da categoria, por isso veio visitar a entidade mesmo em momento de greve.

Acata a forma de organização e da luta dos trabalhadores(as), e que estará empenhada em mediar o processo entre o MEC e FASUBRA, nunca de substituir a FASUBRA no seu papel de entidade representativa dos trabalhadores técnico-administrativos das IFES. Colocou que solicitou ao MEC a manutenção da reunião para o dia 06 de junho, ou uma possível antecipação.

A CNG-FASUBRA colocou que espera da ANDIFES uma atuação firme, mediando o processo, visando primeiro garantia do espaço de negociação já anunciado pelo Governo, previsto para o dia 06 de junho. Da mesma forma solicita que seja retomado o processo de construção coletiva na relação de temas comuns, a exemplo do GT de Dimensionamento de Vagas. Em particular acerca das alternativas que a FASUBRA já aprovou em suas instâncias do ponto de vista da evolução da tabela e resolução do VBC. Acrescentou que entende o papel dos gestores, bem como agradece a compreensão da ANDIFES quanto ao papel da FASUBRA e a necessidade da manutenção da relação profícua construída ao longo dos anos.

Com relação ao processo de Greve, a FASUBRA informou todos os antecedentes a deflagração da Greve, e a expectativa do avanço da relação Governo e CNG-FASUBRA, neste momento, assinalada com a perspectiva de uma retomada do processo negocial. Destacou o conteúdo do ofício enviado ao MEC e MPOG, que remete a necessidade de uma explicitação por parte do governo acerca da política e metodologia do processo negocial.

Com relação aos HU´s, o CNG-FASUBRA colocou que o relato apresentado pelo MEC acerca da reunião ocorrida entre a FASUBRA e aquele Ministério, não reproduz o avanço ocorrido no debate entre a DN da FASUBRA e o Ministro Fernando Haddad, principalmente em relação a organização de um Fórum Nacional de debate acerca dos HU´s, bem como o comprometimento do MEC em não encaminhar nenhum projeto de lei de transformação dos HU´s em Fundação Estatal. Bem como, que o debate acerca dos HU´s deverá ser amplo envolvendo todos os setores.

Para o CNG-FASUBRA é importante que seja formalizado a posição do MEC, garantindo a metodologia de discussão apresentada pela FASUBRA, bem como seja apresentado na mesa do dia 06 os detalhes do processo de negociação, com início – meio e fim.

Após várias intervenções dos membros do CNG, respondidas pelo Presidente da ANDIFES, foi encerrada a reunião, ficando de ser agendada uma reunião para dar prosseguimento a outros temas de interesse da categoria e da Andifes.

Fonte: Informe da Fasubra

Veja também