Início > Notícias > Palestras e livro denunciam as ameaças das plantações de eucaliptos no RS
Palestras e livro denunciam as ameaças das plantações de eucaliptos no RS

Na quinta-feira ( 17/12), Dia do Bioma Pampa, ocorre às 19h, no plenarinho da Assembléia Legislativa do Estado, as palestras “Impactos sócio-econômicos e ambientais da silvicultura para celulose no Cone Sul”, com o Jornalista Uruguaio Victor Bacchetta, autor do livro “A Fraude da Celulose”, e “Ameaças das monoculturas arbóreas à biodiversidade do Bioma Pampa”, com [...]

Na quinta-feira ( 17/12), Dia do Bioma Pampa, ocorre às 19h, no plenarinho da Assembléia Legislativa do Estado, as palestras “Impactos sócio-econômicos e ambientais da silvicultura para celulose no Cone Sul”, com o Jornalista Uruguaio Victor Bacchetta, autor do livro “A Fraude da Celulose”, e “Ameaças das monoculturas arbóreas à biodiversidade do Bioma Pampa”, com o professor Valério Pillar, do Departamento de Ecologia da UFRGS .

O livro “A Frauda da Celulose” será lançado e terá sessão de autógrafos sexta-feira (18/12), às 18h30min, na Livraria Palmarinca, Rua Jerônimo Coelho, 281.

A edição em português foi possível através da parceria dos Sindicatos dos Trabalhadores Sintrajufe, Sindiágua, Semapi, Sinpro-RS e Sindisprev- RS que apoiaram com recursos a iniciativa do jornalista Renzo Bassanetti.

A obra foi traduzida por que faz um contraponto às desinformações veiculadas pela nossa mídia, que colocam o modelo florestal da celulose como a salvação econômica da metade sul do RS.

O autor comprova que as promessas do setor são uma fraude, aumenta a exclusão social, emprega menos pessoas que o grande latifúndio e concentra renda nas mãos de poucos grupos. Demonstra ainda que estas corporações estão se instalando aqui, por causa da terra e da mão de obra extremamente baratas para os padrões europeus, por órgãos ambientais sucateados e sem condições de fazer um monitoramento adequado, incentivos e isenções fiscais que não obteriam em nenhuma outra parte do planeta.

Tudo isso também por que a Europa, em função do imenso passivo ambiental dessa atividade, começou a fazer exigências que diminuiram muito a lucratividade dessas empresas por lá.

Veja também