Início > Notícias > Paralisação prejudica atendimento médico em Santo Augusto, RS
Paralisação prejudica atendimento médico em Santo Augusto, RS

Servidores paralisaram atividades e postos de saúde fecharam. Hospital recebe somente urgências; reunião está prevista para a noite.

Em Santo Augusto, no Noroeste do Rio Grande do Sul, servidores paralisaram as atividades e os postos de saúde estão fechados desde a tarde de terça-feira (23). Já o hospital da cidade atende somente casos de urgência. Na quarta-feira (24) os funcionários protestaram em frente à Secretaria Municipal de Saúde, e uma reunião está prevista para a noite desta quinta-feira (25), como mostra a reportagem do Bom Dia Rio Grande, da RBS TV (veja o vídeo).

Entre os pedidos dos servidores estão melhorias nas condições de trabalho, investimentos em qualificação profissional, aumento salarial e, principalmente, manutenção da carga horária de 30 horas semanais. Segundo a categoria, um decreto do Executivo que deve passar a valer em agosto deste ano exige que os servidores passem de seis para oito horas de trabalho.

Em assembleia, médicos do RS aprovam paralisação nos dias 30 e 31

“A gente gostaria de voltar a trabalhar, atender bem a população, porque sabemos que o atendimento faz falta. Mas se o prefeito não atender nossas reivindicações, a greve será mantida por tempo indeterminado”, disse a enfermeira Cleonice Fanfa Godoi.

A auxiliar de enfermagem Neusa Polesso Batista argumenta que, como ela, vários profissionais trabalham em dois locais para compensar os baixos salários. “O problema é que se tiver que fazer oito horas vou ter de tirar minha filha da faculdade. Hoje eu consigo chegar nos dois empregos para poder pagar os estudos dela”, salientou.

Mais de 200 atendimentos médicos, odontológicos e de enfermagem foram cancelados. Os postos de saúde fecharam para atendimento e o hospital só atente casos de emergência. Alguns funcionários seguem no trabalho administrativo e na entrega de medicamentos.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o decreto do Executivo exige apenas que casa funcionário cumpra as horas que constam no concurso para o qual foram aprovados. “A intenção é ampliar o atendimento de atenção básica nas unidades já existentes e na que vamos abrir em breve, além de oportunizar melhor atendimento para a população com as horas a mais”, destacou a secretária Lurdes Speroni.

Este post ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Veja também