Início > Notícias > Plebiscito de movimentos sociais em 2007 questionará leilão da Vale do Rio Doce
Plebiscito de movimentos sociais em 2007 questionará leilão da Vale do Rio Doce

Uma das grandes mobilizações dos movimentos sociais para 2007 será a reabertura do processo de privatização da Companhia Vale do Rio Doce, ocorrida em 1997. O Plebiscito Popular pela Anulação do Leilão da empresa será realizado a partir do dia 1º de setembro de 2007.

Uma das grandes mobilizações dos movimentos sociais para 2007 será a reabertura do processo de privatização da Companhia Vale do Rio Doce, ocorrida em 1997. O Plebiscito Popular pela Anulação do Leilão da empresa será realizado a partir do dia 1º de setembro de 2007. Os eleitores serão convidados a votar como se fosse uma eleição, só que o resultado tem caráter simbólico, sendo usado como instrumento de pressão da sociedade frente ao governo.

A decisão de organizar o plebiscito foi anunciada recentemente durante plenária da Assembléia Popular, uma articulação que reúne os movimentos sociais em municípios e estados, para o debate de suas reivindicações. Entre os movimentos que compõem a Assembléia estão o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e o Movimento de Pequenos Agricultores (MPA). A idéia é começar o debate do plebiscito nas Assembléias dos estados e depois ampliá-lo. É o que explica Ricardo Gebrim, integrante da Consulta Popular, que também integra a Assembléia.

"Nós vamos desenvolver todo um cronograma preparatório, onde os ativistas e lutadores populares se interem do problema da Vale do Rio Doce, da sua gravidade, explicando para a população o que está em jogo nesse debate. Mais do que unir as forças políticas da esquerda e das entidades sociais, fizemos o compromisso conjunto de construir isto na base através do espaço das Assembléias Populares."

O processo de privatizações da Vale ocorreu durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Entre as denúncias de irregularidades no leilão está a que questiona o valor pelo qual a empresa foi vendida. Na época, o patrimônio era avaliado em torno de R$ 40 bilhões, mas o preço da venda chegou a pouco mais de R$ 3 bilhões. Um ano após sua privatização, a companhia já acumulava um lucro de quase R$ 10 bilhões. A Justiça ainda investiga as denúncias de fraude na privatização.

Outros dois plebiscitos semelhantes já foram realizados pelos movimentos sociais no Brasil. Em 2000, o tema foi o pagamento ou não da dívida externa que contou com a participação de mais de seis milhões de pessoas. Em 2002, a votação era sobre a negociação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca). Mais de dez milhões de pessoas votaram.

Fonte: Agência Notícias do Planalto

Veja também