Início > Notícias > Por melhores salários, técnicos da UFRGS interrompem aulas na Reitoria
Por melhores salários, técnicos da UFRGS interrompem aulas na Reitoria

Manifestação faz parte de movimento nacional pelo reajuste dos técnicos de universidades públicas     Com portões fechados, alunos não têm acesso às salas de aula Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS Integrantes da Associação dos Servidores da UFRGS (Assufrgs) interrompem nesta manhã a quadra da Reitoria da universidade e prometem paralisar as aulas nos [...]

Manifestação faz parte de movimento nacional pelo reajuste dos técnicos de universidades públicas

 
 
Por melhores salários, técnicos da UFRGS interrompem aulas na Reitoria Ronaldo Bernardi/Agencia RBS

Com portões fechados, alunos não têm acesso às salas de aula Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Integrantes da Associação dos Servidores da UFRGS (Assufrgs) interrompem nesta manhã a quadra da Reitoria da universidade e prometem paralisar as aulas nos prédios do campus central.

A manifestação faz parte do movimento nacional dos técnicos de universidades públicas por melhores salários. Eles esperam uma reunião na quinta-feira com o governo para tentar um acordo que acabe em contraproposta.

— A reivindicação nacional é do piso de três salários mínimos. Hoje, recebemos R$ 1.034, abaixo de dois salários. Desde 2007 não recebemos uma contraproposta do governo. Estamos no limite — alega a coordenadora-geral da Assufrgs, Bernadete Menezes, que lembra ainda haver um indicativo de greve dos técnicos para o dia 11 de junho.

 
Foto: Ronaldo Bernardi

Além de aumento no salário, os manifestantes pedem paridade na eleição da UFRGS, a qual ocorre ainda este ano. A ideia é dividir o peso dos votos em 40% para professores, 30% para estudantes e 30% para servidores. A previsão do pleito é de 70 % professores, 15% estudantes e 15% servidores.

— Já chegaram alunos aqui (na Reitoria) querendo ir para a aula, dizendo que têm prova, mas está tudo fechado. Nada disso vai funcionar — diz Bernadete.

Os portões trancados surpreenderam os estudantes que chegavam no início da manhã aos prédios da Reitoria. Ao depararem com o acesso bloqueado, alguns alunos já pensavam em retornar para casa.

— Os prédios estão abertos, mas nem nós nem professores temos acesso. Sei de pessoas que fariam seleção de doutorado e podem perder a oportunidade — diz a estudante de Pedagogia, Julia Reis, de 23 anos.

 

http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2012/05/por-melhores-salarios-tecnicos-da-ufrgs-interrompem-aulas-na-reitoria-3774389.html

4 comentários para "Por melhores salários, técnicos da UFRGS interrompem aulas na Reitoria"

  1. Andréa Ferreira maio 30th, 2012 17:17 pm Responder

    Nossa paralisação é em decorrência que nossas reivindicações que vêm sendo negociadas pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) sem respostas positivas, até o momento, tanto na pauta específica, quanto na pauta conjunta com os demais servidores públicos federais.
    E nossa pauta específica consiste em: aumento no piso salarial, resolução das pendências na carreira, racionalização, anexo IV e reposicionamento dos aposentados.
    A pauta geral unificada tem como eixos: reajuste salarial de 22,08% ( com reposição da inflação de 2010 e 2011); data base dia 1º de maio; regulamentação da Convenção 151 da OIT; e definição de uma política salarial digna para os trabalhadores do serviço público.

  2. Rafael Cecagno maio 30th, 2012 22:11 pm Responder

    “Sinônimo de paridade: igualdade, parecença, semelhança e similaridade”… isso é diferente do 40x30x30 da matéria… quem defende esta composição não fala em nome de quem luta pela PARIDADE!!! dia 14/06 vote NULO!!!

  3. Silvio Corrêa - CIS maio 31st, 2012 01:54 am Responder

    A nota abaixo mostra exatamente o que pensa a maioria dos docentes desta universidade sobre a importância da nossa luta. Afirmo que é a opinião da grande maioria dos professores porque a grande maioria deles e filiada a Adufrgs, e não acredito que a Adufrgs assinasse uma nota com este teor, a menos que tivesse a convicção de que ela expressa a opinião dos professores. Isto inclui diretores de unidades e chefes que estão tentando te convencer a votar na reeleição do Alex ou que apresentam alternativas para te convencer que as coisas vão mudar, que vale a pena tu votares valendo 15%. O que estamos vivendo na UFRGS, não é de hoje, é um enfrentamento entre os que se consideram patrão e nós, servidores técnico-administrativos em educação, ou nós nos conscientizamos que os nossos únicos aliados nesta luta de valorização do nosso saber e fazer na universidade somos nós mesmos e nos unimos ou continuaremos sendo tratados da forma desrespeitosa, preconceituosa e mal-educada que viemos sendo tratados até agora pelos professores desta universidade. Democracia se faz é na prática e não em discurso de campanha.

    Nº 065 / 30 de maio de 2012

    Nota de Repúdio

    A Diretoria da ADUFRGS-Sindical repudia atos de violência, principalmente aqueles que são realizados em nome da democracia. No dia de hoje (30/05/2012) o acesso às dependências do campus central da UFRGS foi impedido para todas as pessoas por uma manifestação promovida pela Assufrgs.

    Manifestações fazem parte dos atos democráticos, assim como greves, paralisações, panfletagens. Entretanto os manifestantes não têm o direito de cercear a liberdade de ir e vir das demais pessoas. Professores não puderam lecionar, estudantes não puderam assistir às aulas, servidores e demais trabalhadores não puderam trabalhar. Consideramos o referido cerceamento um ato de violência, antidemocratico e condenável sob todos os aspectos.

    Diretoria da ADUFRGS-Sindical

  4. Silvio Corrêa - CIS maio 31st, 2012 01:55 am Responder

    Olhem o teor da nota da Chapa 2, é praticamente o mesmo do teor da ADUFRGS, com um agravante, “Lastimamos que parte da coordenação da ASSUFRGS, responsável por este ato arbitrário, é a mesma que prega o voto nulo e faz campanha para a Chapa 1″, ou seja, para estas pessoas só existe uma opção democrática que é a deles, é, realmente, não tem como dialogar com esta gente. É VOTO NULO NELES, democracia se constrói é na prática e não em discurso de campanha.

    Aos nossos apoiadores,

    Comunicamos a todos que, em função do Dia Nacional de Mobilização dos Servidores Públicos Federais, nesta quarta-feira dia 30 de maio, por iniciativa e decisão unilateral da ASSUFRGS-Sindicato, o quarteirão central da Universidade – Reitoria/FACED/ICBS/DECORDI e outros setores – teve bloqueado os seus acessos.
    Não só os técnicos administrativos e docentes ficaram impedidos de comparecer aos seus locais de trabalho, mas principalmente os estudantes em grande número foram surpreendidos e prejudicados em suas atividades

    Apoiamos a pauta nacional de reivindicações salariais e de carreira dos técnicos administrativos, mas repudiamos de forma veemente esta ação autoritária, de fechamento de portões com correntes e cadeados, que não favorece o diálogo e o entendimento.

    Lastimamos que parte da coordenação da ASSUFRGS, responsável por este ato arbitrário, é a mesma que prega o voto nulo e faz campanha para a Chapa 1.
    Chapa 2
    A Universidade que Fazemos Juntos!

Deixe seu comentário

Veja também