Início > Notícias > Posição do CLG sobre café da manhã nos Restaurante Universitários
Posição do CLG sobre café da manhã nos Restaurante Universitários

Café da manhã para os estudantes moradores das casas universitários no Centro e na Favet será retomado em função de ação civil pública aberta pela Defensoria Pública junto à Justiça Federal. Estabelecimento funcionam sem supervisão técnica e com condições precárias

A abertura do café da manhã dos RUs Centro e Agronomia para os estudantes carentes nos comove e nos movimenta para que esta função possa ser garantida neste momento, pois entendemos a necessidade deste benefício a estes alunos, em momento de final de semestre.

Mas queremos aproveitar o momento para esclarecer que a greve é fruto da inexistência do processo negocial, pois sua pauta vem de 2012, com falta de resolutividade, passando pelo processo de 2014, em que o STJ determinou negociação até junho de 2014, não cumprido pelo governo, que passou a postergar prazos, prometendo responder antes do primeiro turno das eleições e não cumpriu, não respondeu nossos ofícios. Chegando a 2015 com mais ofícios em que a FASUBRA reitera o pleito de estabelecer negociação, e no qual a Secretaria de Ensino Superior interina alegou que o processo com nossa resposta estaria paralisado desde agosto de 2014 por erros do protocolo do MEC, sem que tenham percebido isso. Colocamos também que as recentes reuniões com MEC e MPOG não avançaram em resolutividade de nossa pauta, e que o planejamento, ao mesmo tempo que responde com uma proposta que sequer atende as perdas inflacionárias, ainda pergunta o que seria secundário em nossa pauta; mas nada é secundário para a existência de uma educação pública e de qualidade.

Nossa pauta tem uma perspectiva salarial sim, quando lutamos pelos direitos que os trabalhadores das empresas privadas já têm, como piso salarial adequado, data base e política salarial. Mas temos em nossa pauta a defesa de uma UFRGS que opere em condições adequadas, que garanta a saúde da comunidade universitária e a segurança dos processos para aqueles que nela trabalham e transitam.

Com isto, temos diversas preocupações, as quais gostaríamos que fossem ponderadas nesta reabertura dos Restaurantes Universitários ligados às Casas de Estudantes:

* as responsáveis por estes ambientes e também responsáveis técnicas pelas refeições produzidas, em decorrência de aderirem à greve dos servidores técnico-administrativos, não estarão respondendo por tais funções;

* não haverá supervisão técnica direta à produção do café da manhã, por parte daqueles que normalmente exercem esta função profissional;

* as condições materiais e de infraestrutura precarizadas e a falta de condições adequadas ao trabalho, as quais são contínuas, por negligência da administração central, não estão sendo sanadas para o retorno das atividades normais.

Estas são as preocupações mais alarmantes, dentre tantas outras, pois comprometem a segurança dos alimentos, bem como a qualidade nutricional dos mesmos, prejudicando, consequentemente, a saúde dos usuários.

Nós, do movimento da greve, de forma responsável e democrática, continuaremos atentos tanto às condições operacionais quanto às de infraestrutura para defender o interesse dos estudantes e da comunidade.

Este post ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Veja também