Início > Notícias > Presidente do Cpers e vereadora são detidas pela BM durante protesto pelo Impeachment de Yeda
Presidente do Cpers e vereadora são detidas pela BM durante protesto pelo Impeachment de Yeda

var teste = “F”; if (teste == “F”){ }else if (teste == “”){ }else{ var data_criacao = “16/07/2009″; var data = “16/07/2009″; var hora = “09h59min”; if (data_criacao == data){ document.write(” Atualizada às 09h59min “); }else{ document.write(” Atualizada em 16/07/2009 às 09h59min “); } } Clique aqui e veja o vídeo sobre o ato editado [...]

Clique aqui e veja o vídeo sobre o ato editado pelo grupo RBS que mostra alguma coisa, mas não mostra a polícia batendo nos manifestantes e nem mostra a Governadora histérica com o cartaz chamando os professores de torturadores.

Fotos: Roberto Vinícius/Agência Free Lancer/AE

 

 Fotos: Roberto Vinícius/Agência Free Lancer/AE

Foto Ronaldo Bernardi

Corrupção no governo Yeda: truculência provoca detenções de manifestantes

No início da manhã desta quinta-feira 16, centenas de servidores públicos organizaram uma manifestação em frente à mansão da governadora do Rio Grande do sul, Yeda Crusius, na vila Jardim em Porto Alegre. O protesto, pacífico, teve a detenção de manifestantes e de outros profissionais. Entre os detidos estavam a presidente do CPERS/Sindicato, Rejane de Oliveira, a 1ª vice-presidente da entidade, Neida de Oliveira, e a vereadora Fernanda Melchionna (PSOL).

A manifestação, que começou por volta das 7h15 da manhã, faz parte do dia de mobilização em defesa do impeachment de Yeda, organizado pelo Fórum dos Servidores Públicos Estaduais (FSPE-RS). Ainda nesta manhã, em frente ao Palácio Piratini, será realizado um ato público pelo afastamento da governadora. Em seguida, será realizada uma caminhada até a esquina democrática, no centro da capital gaúcha.

A detenção de dirigentes sindicais e de outras pessoas foi classificada pela presidente do CPERS/Sindicato como um ato arbitrário e desnecessário. “Primeiro, a polícia nos retirou da calçada em frente à casa da governadora. Depois, com os manifestantes no meio da rua, isolaram o quarteirão em que se localiza a casa de Yeda. Quando já estávamos no ônibus, prontos para deixarmos o local, a polícia foi até o veículo para me deter”, disse Rejane.

Acuada por indiciamentos de dois dos seus secretários pela Polícia Federal gaúcha, por corrupção e cada vez mais desacreditada pela nas pesquisas de opinião, a governadora Yeda Crusius tem evitado aparições públicas, mas não consegue evitar o desgaste de sua administração. O governo Yeda tem sido alvo de acusações de corrupção desde a Operação Rodin, da Polícia Federal, que apurou um desvio de aproximadamente R$ 44 milhões do Detran gaúcho.

João dos Santos e Silva, assessor de imprensa do CPERS/Sindicato



Réplica das Escolas de Latas foram levadas até a casa da Yeda para protestar contra a forma como educação é tratada pelo Governo do Estado.


Leia mais informações:

Escola de lata e demência na casa de Yeda Crusius

Protesto contra a governadora tem sequência na Praça da Matriz

Presidente do Cpers diz que ação da BM em frente à casa de Yeda foi truculenta

Fórum dos Servidores convoca ato pelo impeachment de Yeda nesta quinta-feira (16)

O Fórum dos Servidores Públicos Estaduais (FSPE/RS) realiza nessa quinta-feira, dia 16, em frente ao Palácio Piratini, às 11 horas, um grande ato público pelo impeachment da governadora Yeda Crusius. O protesto será marcado pelo uso da cor preta pela população gaúcha, em repúdio ao governo estadual. A iniciativa do FSPE/RS faz parte, igualmente, da defesa das carreiras do funcionalismo estadual, constantemente ameaçado pelo governo Yeda.
É por acreditar que só a resistência do funcionalismo estadual, com o apoio da população, tem impedido que o desmonte da máquina pública praticado pelo governo Yeda atinja danos maiores, o FSPE/RS, promove nessa quinta-feira esse novo ato público na Praça da Matriz. Para as entidades sindicais, a governadora não tem mais legitimidade para ocupar o posto e deve ser imediatamente afastada.

O FSPE/RS é formado pelo CPERS/Sindicato, Sindicaixa, Ugeirm, Sindisepe, Simpe, Sindiágua, Semapi, Sindijurs/RS, Sindet e Federação dos Bancários/RS.

Veja também