Início > Notícias > Presidente do Paraguai denuncia tentativa de golpe
Presidente do Paraguai denuncia tentativa de golpe

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, denunciou a existência de um plano de golpe de Estado, supostamente impulsionado pelo ex-presidente Nicano Duarte e o General Lino César Oviedo.

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, denunciou a existência de um plano de golpe de Estado, supostamente impulsionado pelo ex-presidente Nicano Duarte e o General Lino César Oviedo.

Fernando Lugo convocou uma surpreendente entrevista coletiva no Palácio do Governo, na qual denunciou que o ex-presidente Nicanor Duarte e o general Lino Oviedo se reuniram na casa do último para planejar um golpe de Estado.

Do encontro também participaram o presidente do Congresso, Enrique González, e o vice-presidente da Justiça Eleitoral, Juan Manuel Morales, afirmou Lugo. Também se referiu à presença do advogado Lelis Olmedo, o fiscal geral do Estado, Rubén Candía Amarilla e o general Máximo Díaz, que foi quem revelou o plano ao Presidente.

A denúncia do Presidente da República incorpora maior complexidade e tensão ao cenário político paraguaio, que já chegava ao ponto de explosão com a irresolvida e cada vez mais profunda crise no Senado Federal.

“As Forças Armadas são uma instituição não deliberativa”, ao indicar que os ministros devem se ater a suas atividades específicas “conforme a Constituição”, disse Lugo para especificar que a reunião que denunciou se produziu antes de domingo.

“Os projetos conspiradores serão enfrentados com todos os recursos da lei”, expressou o presidente, ao anunciar que censura “a atitude dos concorrentes e particularmente dos altos magistrados Juan Manuel Morales e Candia Amarilla”. O senador Carlos Filizzola indicou no Palácio de governo que este plano faz parte de um projeto que começou a se evidenciar no “juramento ilegal” de Nicanor Duarte sem o quorum no Senado e ante o presidente do legislativo, González Quintana. Indicou que esse foi o princípio da crise que só busca obstaculizar os projetos do governo, desde o Senado.

“Isto pretende, obviamente, desestabilizar e sair do marco constitucional. Aqui há um projeto golpista”, indicou Filizzola.

Lugo advertiu que “como presidente não permitirei que as Forças Armadas sejam utilizadas por interesses sectários. Conclamo a cidadania a estar alerta diante de possíveis golpes. Não permitiremos que se atente contra a liberdade do nosso povo”. Agradeceu a lealdade das Forças Armadas.

Por sua parte, o senador liberal Miguel Abdón Saguier anunciou o início urgente da análise de medidas internas dentro do Legislativo, para determinar as correspondentes medidas sobre Gonzáles Quintana.

Veja também