Início > Notícias > Pressão dos servidores impõe derrota histórica ao governo Yeda
Pressão dos servidores impõe derrota histórica ao governo Yeda

FOTO Walter Fagundes AG/AL “Foi uma vitória do conjunto dos servidores públicos.” Repetida várias vezes, essa frase sintetizou o sentimento de cada um dos trabalhadores presentes na grande manifestação realizada na terça-feira, 22, em Porto Alegre. Pressionado, sem força política e na eminência de uma derrota histórica, o governo Yeda se viu obrigado a recuar [...]

FOTO Walter Fagundes AG/AL

“Foi uma vitória do conjunto dos servidores públicos.” Repetida várias vezes, essa frase sintetizou o sentimento de cada um dos trabalhadores presentes na grande manifestação realizada na terça-feira, 22, em Porto Alegre. Pressionado, sem força política e na eminência de uma derrota histórica, o governo Yeda se viu obrigado a recuar e retirar os projetos que atacavam direitos e destruíam as carreiras dos servidores da Educação e da Brigada Militar.

Sob um clima de muita emoção, os servidores deram-se as mãos e cantaram o hino rio-grandense, celebrando uma vitória conquistada com muito sacrifício. “Quantas vezes arrumamos as malas, deixamos nossas famílias para, aqui, lutarmos pela nossa dignidade, pela dignidade dos servidores e do povo gaúcho”, lembrou a presidente do CPERS/Sindicato Rejane de Oliveira. Essa foi, segundo Leonel Lucas, presidente da Abamf, “uma vitória da unidade, que no próximo ano precisa ser mantida.”

A luta para impedir alterações nos planos de carreira marcou a atuação do CPERS/Sindicato neste ano. Mudanças que sempre estiveram no horizonte de um governo que jamais se preocupou com o funcionalismo. E a mobilização foi fundamental para barrar esse ataque. A força da categoria pode ser medida pela queda da ex-secretária Mariza Abreu, que saiu do governo pela porta dos fundos, sem conseguir por em prática seus planos nefastos para a educação pública e para os educadores. A passagem de Mariza pela Secretaria da Educação ficou marcada enturmação, multisseriação e pelas nefastas escolas de lata. É por isso – e nada mais – que ela será lembrada.

Ao longo deste ano, os servidores, reunidos no Fórum dos Servidores Públicos Estaduais, construíram a fragilidade do governo. Foram questionados quando lançaram o “Fora Yeda”, mas a campanha tinha um objetivo: impedir ações do governo voltadas a atacar conquistas históricas. Foi essa campanha que colocou o governo na defensiva. Portanto, o “Fora Yeda” foi fundamental para que o governo chegasse neste momento sem a mínima sustentação política. E essa luta teve respaldo da sociedade gaúcha, tanto que Yeda ostenta a pior avaliação de um governante desde que as pesquisas foram iniciadas no Brasil.

A fragilidade do governo ficou exposta na constrangida fala do deputado Pedro Westphalen (PP), líder do Piratini na Assembleia Legislativa. Num pronunciamento surreal, ele sintetizou o desastre político da administração Yeda. Pediu aos deputados aliados que rejeitassem a emenda e o projeto da Brigada Militar. Obrigou-se a solicitar aos colegas que rejeitassem o "pacote de bondades" propagandeado pelo governo, mas que os servidores inteligentemente descobiram nele um conjunto de maldades.

Por: João dos Santos e Silva, assessor de imprensa do CPERS/Sindicato

Veja também