Início > Notícias > Relatório da Reunião de Planejamento do XXIV Seminário Nacional dos Vigilantes das IPES
Relatório da Reunião de Planejamento do XXIV Seminário Nacional dos Vigilantes das IPES

Reunião dos Vigilantes, em Belo Horizonte, debateu a organização do Seminário Nacional dos Vigilantes, que deve ser realizado em setembro.

 Reuniram-se em Belo Horizonte, nos dias 28.01 e 01.03, de 09 às 17 horas, na Sede do SINDIFES, os Coordenadores Nacionais e Regionais dos Vigilantes, a Coordenação da Fasubra e do SINDIFES para discussão e encaminhamentos sobre o planejamento do XXIV Seminário Nacional de Segurança nas IPES.

Estiveram presentes os Coordenadores da Fasubra Rogério Marzola e Diego Gonçalves e vários vigilantes da base da FASUBRA representando as seguintes universidades: UFMG, UNB, UFV, UFU, UFG, UFSCAR, UFRGS, UFSC, UFSM, UFRPE, UFPA, UFMS, UFPE, UFRN, UFPB.

O coordenador geral da Assufrgs e do GT Segurança Mozarte Simões da Cota Junior esteve presente representando o sindicato.

Dentre as falas do informe das bases destacamos algumas:

UNB: Realizaram um seminário e tiraram uma carta proposta solicitando apoio da Fasubra para os que estão no congresso relativo aos vigilantes.

UFSC: Por solicitação da Reitora organizaram um projeto de regulamentação das atividades da vigilância na universidade e após análise jurídica será encaminhada para o CONSUM, dia 05 de março a ANDIFES vai reunir seu pleno em Poços de Caldas com a pauta sobre segurança nas universidades e o cargo de vigilante, e que os reitores levassem os chefes dos setores para o debate e que o chefe da segurança da UFSC.

Os GTS seguranças da Assufrgs,  Assufsm e Sintufsc os representantes da Asufpel não estavam presentes, e foi deliberado que o III encontro de segurança da região sul  será realizado na UFSC na segunda quinzena de junho do corrente ano.

 

Na reunião foi definido:

 Data: do Seminário será no período de 14 a 19 de setembro de 2015;

 Local: Auditório da Reitoria e da Engenharia.

 Programação do Seminário Nacional de Segurança nas IPES

 SEGUNDA 8h – Abertura do Credenciamento e Café;

 8h30 – Mesa de Abertura: SINDIFES / FASUBRA / ANDIFES/ MEC/ Reitores/ Coord. do Seminário/ Políticos;

 10h30 – Aprovação do Regimento do Seminário;

 11h30 – Análise de Conjuntura (FASUBRA também);

 13h – Almoço;

 14h – Trabalho em Grupo;

 16h30 – Café 17h – continuidade Trabalho em Grupo;

 18h – Encerramento/Jantar;

 TERÇA 8h – Palestras:

8h (Educação Pública; Combate as Opressões);

10h (idosos, negros, mulheres e LGBT);

1130 Saúde do Trabalhador (incluindo uso de drogas e assédio moral);

 13h – Almoço

14h – Trabalho em Grupo 16h30;

 – Café 17h – continuidade Trabalho em Grupo 18h – Encerramento/Jantar;

 QUARTA:

8h Palestras (Atribuições e Legalidade da Função dos Vigilantes);

10.30 Projetos de Leis ligados aos Vigilantes;

 13h – Almoço

14h – Atividade Cultural 18h – Encerramento;

 QUINTA Palestras;

08hsDívida Pública Terceirização;

10hs Violência nos campi das universidades e os Direitos Humanos;

 13h – Almoço

14h – Trabalho em Grupo;

 16h30 – Café 17h – continuidade Trabalho em Grupo 18h – Encerramento/Jantar;

 SEXTA:

 8h – Plenária Final;

 13h – Almoço;

 14h – Plenária Final, Eleição dos Novos Coordenadores e escolha da próxima sede;

 16h30 Café;

 17h – Posse dos novos Coordenadores Nacionais e Regionais;

 SÁBADO 10h – Encerramento com entrega dos certificados.

 Organização:

  1. A Fasubra fará a divulgação no ID da programação e a convocação para que os coordenadores nacionais e regionais estejam em Belo Horizonte, no mínimo, com 3 dias de antecedência do início do Seminário. Se a entidade de base não tiver coordenador nacional ou regional deverá enviar um representante, no mínimo, com 1 dia de antecedência do início do Seminário. Esses representantes ficaram responsáveis pela organização do Seminário, assim como pela a recepção às delegações;

 2.  A abertura do Seminário será no auditório da Reitoria e terá um Ato (abraço simbólico) na reitoria com o objetivo de solicitar Concurso Já para o cargo de Vigilante. Todos os Vigilantes deverão estar fardados e as delegações devem trazer faixas para o ato;

3. A inscrição para o Seminário será realizada online no hot site do Seminário via portal do SINDIFES. O Hot Site será criado até o dia 13 de março e nele constará tudo sobre o Seminário;

4. Valor da inscrição: será definido posteriormente após o levantamento de quanto será gasto com a infraestrutura do Seminário (alimentação, confecção dos materiais: camisas, pastas, crachás, folder, certificados, blocos para anotações, xérox do regimento e de outros materiais, entre outros). O pagamento da inscrição será de responsabilidade das entidades de base ou das universidades;

 5. Local para alimentação: será negociado com a universidade a utilização do bandeijão ou com um dos restaurantes terceirizados mais próximo de onde ocorrerá o Seminário;

6. Hospedagem: já está sendo negociado com os hotéis mais próximos da UFMG e que possam comportar todas as delegações ou grande parte delas. A negociação é no intuito de baixar o preço da hospedagem o máximo possível, considerando o quantitativo de pessoas que virão para o Seminário. O pagamento da hospedagem será de responsabilidade das entidades de base ou das universidades.

Mozarte Simões.

Coordenador Geral e do GT Segurança da Assufrgs

3 comentários para "Relatório da Reunião de Planejamento do XXIV Seminário Nacional dos Vigilantes das IPES"

  1. Aluizio Bezerra G. Azul (ex DEMEC-PE) março 9th, 2015 08:14 am Responder

    Bem companheiros e companheiras VIGILANTE lotados nas IPes.
    Gostaria de fazer constar na pauta dos tópicos que será elaborada para o seminário a ser realizado em setembro do ano em curso, o seguinte conteúdo:
    1 – aprovação em assembléia de 01 COMISSÃO de vigilantes de cada unidade federada, para parla- mentar com os senhores Deputados federais José Stédile (relator) e Mário Feitoza (presidente) da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados em Brasília e, aproveitando o evento
    contactar Deputados membros da Comissão de Constituição e Justiça daquela casa legislativa;
    2 – dialogar também sobre o PERCENTUAL de 10% pago hoje aos vigilantes das IPEs, embasado na
    Lei n. 8270/91, a Lei n. 12740/12, a Portaria n. 1885/13(M.T.E) e a N. R. 16(M.T.E);
    3 – solicitar da direção da Câmara dos Deputados (PARECER JURÍDICO) posição em relação ao TEMPO DE SERVIÇO para fins de aposentadoria dos VIGILANTES das IPES a partir da percepção do Adicional de Periculosidade;
    4 – difundir entre os companheiros e companheiras quais os canais legais a serem percorridos se
    a categoria de vigilante vier a ser algum dia posta em DISPONIBILIDADE REMUNERADA. Poderiam a companheirada requerer judicialmente o retorno à categoria de Agente de Vigilância cargo para o qual a maioria prestou concurso público a qual não vai à disponibilidade por estar
    amparada legalmente pela legislação em vigor hoje?
    São estes os tópicos que apresento-vos e que gostaria de vê-los incluídos na pauta que irá compor o próximo seminário em setembro de 2015.
    Muito obrigado.

  2. Paulo Silva março 30th, 2015 17:32 pm Responder

    Sinceramente até hoje não entendi direito, VIGILANTES que ingressaram com a exigência de ensino fundamental incompleto, foram catapultados para o nível de classificação D. Mantiveram a exigência mínima de ensino fundamental, já recebem risco pela atividade, levaram de barbada este baita aumento, algo no meu ver injusto com outras funções com exigência de ensino médio. Venho percebendo a muito alguns grupos utilizando-se da lei de Gerson, tirando proveito para sua classe deixando os demais de fora.
    A grande pergunta, será que a sociedade sabe que muitos que aí estão entraram sem concurso, indicados por conhecidos, parentes, amigos etc e agora buscam um filão para si ?

  3. Sebastião Florêncio dezembro 14th, 2015 09:58 am Responder

    Temos que lutar para nós seguranças das universidades federais ser incluidos na revogação dos estatutos dos desarmamento porque foram incluidos outra cartegorias como como os deputados e senadores, agentes de transito,agentes de segurança socioeducativos, e porque nós ficamos de fora

Deixe seu comentário

Veja também