Início > Notícias > Seguranças da Ufrgs se organizam para lutar pelo adicional de risco de vida
Seguranças da Ufrgs se organizam para lutar pelo adicional de risco de vida

Seguranças da Ufrgs se organizam para lutar pelo adicional de risco de vida

Na manhã de terça-feira (25/3), no auditório da Assufrgs, ocorreu um encontro de troca de experiências entre os diretores e seguranças do Judiciário Federal, que já conquistaram o adicional de risco de vida, com os seguranças da Ufrgs, que estão iniciando esta luta.

A segurança institucional e os serviços gerais foram as primeiras áreas a serem atingidas pelo processo de privatização que iniciou no governo Collor. A partir daí as empresas de zeladoria tomaram conta dos serviços públicos e os agentes de segurança perderam suas prerrogativas de poder. E, além da perda da investidura de segurança, também foram atacados na sua auto-estima, através do assédio moral, sendo colocados em desvio de função sem as mínimas condições de trabalho. “Não tínhamos nem local para ficar, nos deixaram no saguão, bem a vista para que todo mundo visse que não fazíamos nada”, explicou o agente de segurança e diretor da Federação Nacional dos Trabalhadores da Justiça Federal (Fenajufe), Cláudio Azevedo. O encontro que iniciou às 10h, também contou com a presença do chefe substituto da Justiça do Trabalho, Denílson Patrício e o diretor do Sintrajufe, Sérgio Amorim.
O objetivo do debate promovido pela Assufrgs foi compreender e apreender com os colegas do judiciário Federal como eles conquistaram a Gratificação dos Agentes de Segurança (GAS).
O coordenador do Grupo de Trabalho de Segurança da Assufrgs, Mozart Simões da Costa, se emocionou com a presença de vários seguranças da Universidade no evento. “Quando começamos esta discussão pelo adicional de risco de vida éramos sozinhos, agora os colegas começaram a entender a importância desta luta”, relatou.

A reunião teve a participação do diretor da Fasubra, Luiz Francisco Martins Alves, o Chiquinho, que destacou a importância da iniciativa. “Este problema já tem um certo tempo e agora está ocorrendo a organização de fato” ressaltou, observando que irá encaminhar as demandas para o GT Nacional.

Cláudio Azevedo que fez um histórico do processo da luta na Justiça Federal que durou cerca de seis anos e conquistou 35% de risco de vida sobre o salário básico destacou a importância desta luta ser travada em nível nacional entre todas as universidades. “Mostramos que em todo o país somos cerca de seis mil agentes de segurança, comparamos com o efetivo a Polícia Federal que na época tinha cerca de sete mil agentes”.
Denílson Patrício, ressaltou a importância de agregar valor ao papel do agente de segurança dentro da Instituição. “Quem vai gerir o trabalho de segurança dentro da instituição? Nós temos que olhar o que vigilante privado está fazendo e usar a inteligência neste processo, pois é uma questão de jurisdição, por exemplo, quem é que cuida do campus? Temos que monitorar as dificuldades, documentar, mostrar para a direção e propor alternativas de segurança” destacou Denilson.
Sérgio Amorim afirmou que inclusive umas das prerrogativas do cargo, e está bem explicitado no caso dos agentes da Ufrgs, é cobrar dos gestores a qualificação para poder exercer a função. “Não podemos ficar parados nas portarias temos que mostrar o nosso valor e assim poder exigir e convencer sobre a necessidade de receber o adicional de risco de vida. Hoje em dia na Justiça do Trabalho, a direção não faz nada sem antes consultar o setor de segurança”. Depois desta vitória obtida em 2006, a luta dos agentes de segurança da Justiça Federal é para criar a polícia do judiciário que significa uma mudança substancial. Sérgio também destacou que a luta é árdua e antes da Gratificação dos Agentes de Segurança (GAS), o Rio de Janeiro tinha 30 agentes e agora se apresentaram mais de 130. “Cem estavam em desvio de função e agora assumiram a sua função novamente”, destacou.

Fotos e texto: Luis Henrique Silveira (Engenho Comunicação e Arte)

Veja também