Início > Notícias > Sem manter diálogo com o movimento grevista, Reitoria pede reintegração de posse do CPD
Sem manter diálogo com o movimento grevista, Reitoria pede reintegração de posse do CPD

Hoje (03), às 17h, será realizada reunião do CLG para tratar do tema, na tenda do CPD.

 
Na manhã desta quinta-feira (03) técnicos-administrativos em greve que ocupam o Centro de Processamento de Dados da UFRGS e Coperse foram notificados de que a Reitoria da Universidade ingressou com mandado de reintegração de posse. A Justiça ainda não analisou o pedido. O local está fechado desde a última segunda-feira (31), quando foi instalado em frente ao estabelecimento um piquete grevista. O objetivo da ação é pressionar o governo federal a negociar com a categoria, em greve desde o dia 28 de maio.
 
A notificação judicial causou surpresa, pois desde o primeiro dia de ocupação o movimento tem buscado estabelecer diálogo com a Administração Central e negociar uma pauta interna, que inclui a paridade na votação de escolha para reitor. Além disso, numa atitude de desrespeito com o movimento de greve, a ação tem como réus sete grevistas, escolhidos aleatoriamente. Cerca de 50 pessoas participam da ocupação do CPD e Coperse e a ação foi deliberada pelo CLG.
 
O CPD da Universidade é imprescindível para o funcionamento da Instituição porque mantém o armazenamento dos dados, a gestão e manutenção da rede de internet e da rede interna, além de prestar serviços a empresas e outros órgãos públicos. Já a Coperse é o setor da Universidade que organiza o vestibular.
 
Os técnicos UFRGS, UFCSPA e IFRS são parte de uma categoria que possui mais de 150 mil trabalhadores. Como pauta de reivindicações, o movimento cobra um reajuste linear de 27,3%, para repor as perdas inflacionárias do período de 2011 a 2016 (projeção). Além disso, pede para que seja revisto o corte orçamentário da Educação, que chega a R$11bi e tem prejudicado o funcionamento das instituições de ensino. O governo vem insistindo em reapresentar a proposta de 21,3% de reajuste parcelado em quatro anos (2016 a 2019), o que condenaria os trabalhadores a perder poder de compra dos salários, uma vez que a proposta não cobre sequer a inflação.
 
A ocupação ocorre em conjunto com outros movimentos em âmbito nacional e segue por tempo indeterminado.​ Hoje, às 17h, será realizada reunião do CLG para tratar do tema, na tenda do CPD.
 
 
 
 
 
 

2 comentários para "Sem manter diálogo com o movimento grevista, Reitoria pede reintegração de posse do CPD"

  1. VALNEZ BITTENCOURT setembro 3rd, 2015 11:54 am Responder

    Na greve de 2012 a UFRGS agiu da mesma forma.

    1. Ana Paula de Azevedo setembro 3rd, 2015 22:37 pm Responder

      Não mudou em cima, não mudou em baixo. A linha é judicial irar. E, segundo Sérgio Mendonça, no ambito do MPOG, é cortar o ponto. Pátria Destruidora do Serviço Público.

Deixe seu comentário

Veja também