Início > Notícias > Deu na mídia [Sul21]: Servidores da UFRGS e UFCSPA entram em greve por tempo indeterminado
Deu na mídia [Sul21]: Servidores da UFRGS e UFCSPA entram em greve por tempo indeterminado

Os servidores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) aprovaram na noite de quarta-feira (6), em assembleia geral, a adesão ao movimento nacional de greve de servidores de universidades federais. A greve terá início na próxima segunda-feira (11). Os servidores seguem [...]

Os servidores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) aprovaram na noite de quarta-feira (6), em assembleia geral, a adesão ao movimento nacional de greve de servidores de universidades federais. A greve terá início na próxima segunda-feira (11).

Os servidores seguem a orientação da Federação de Sindicatos de Trabalhadores em Educação das Universidades Brasileiras (FASUBRA Sindical), que deliberou pelo início da greve em nível nacional.

Após o encerramento da Assembleia, uma comissão foi às administrações da UFRGS e da UFCSPA para protocolar documento informando o início da greve.

A diretoria da FASUBRA considera que já é a greve com maior adesão de universidades pelo país. A entidade afirma também que todas as tentativas de negociação fracassaram, por falta de disposição do Governo Federal em negociar. As principais reivindicações dos trabalhadores são o aumento do piso salarial e a “correção de pendências da carreira” desde 2007.

 

Foto: Alessandro Oliveri / Especial Sul21
Da Redação

Um comentário para "Deu na mídia [Sul21]: Servidores da UFRGS e UFCSPA entram em greve por tempo indeterminado"

  1. SÔNIA MARIA DA SILVA junho 11th, 2012 13:37 pm Responder

    O Governo Federal está mais preocupado em fazer propaganda enganosa de que o Brasil está muito melhor nos quesitos saúde e educação. Não precisar ser muito esperto para saber que isto NÃO É VERDADE!
    Se assim fosse, os professores não precisarim recorrer a greves para terem um aumento salarial mais ou menos justo.

Deixe seu comentário

Veja também