Início > Notícias > Servidores em greve participam do Programa Esfera Pública
Servidores em greve participam do Programa Esfera Pública

Em entrevista ao Programa Esfera Pública, na Rádio Guaíba, servidores em greve debateram as principais reivindicações e as propostas do governo com base no ajuste fiscal.

No último dia 14, os coordenadores da Assufrgs Bernadete Menezes e Mozarte Simões participaram de entrevista ao Programa Esfera Pública, da Rádio Guaíba, apresentado pelos Jornalistas Juremir Machado e Taline Oppitz. Os Coordenadores debateram as pautas dos servidores técnico-administrativos em greve das Universidades, bem como os cortes no orçamento pelo ajuste fiscal que vem sucateando as condições de trabalho e achatando os salários dos trabalhadores.

Para Bernadete, conforme entrevista, a proposta apresentada pelo governo é insuficiente para atender as reivindicações. Segundo a Coordenadora, quem está decidindo e executando o ajuste fiscal são aqueles que não estão sendo afetados pelas medidas. “Eles sinalizam coisas, mas não concretizam. Por exemplo a questão de negociação coletiva: nós servidores públicos não temos data-base, os trabalhadores do serviço público não sabem quando vão ter reajuste”, disse Bernadete. A coordenadora ainda tem esperança que apareçam propostas mais concretas e retomou o início do debate: O governo nos sinalizou que era necessário o retorno da presidente para nos apresentar alguma proposta. A discussão que vocês fizeram no ponto anterior é a mesma deste: quem vai pagar o ajuste?, finalizou Bernadete.

Para Mozarte Simões, também Coordenador da Assufrgs, o orçamento previsto para a UFRGS era de 1 bilhão e meio de reais, sofrendo corte de quase 100 milhões. Na opinião do Coordenador, as áreas mais afetadas devido ao corte no orçamento e a falta de concurso público serão limpeza, manutenção e segurança. Serviços estes que vem sendo realizados por empresas terceirizadas.  Mozarte explicou de onde vem o índice de 27,3% de reajuste e pontuou que a proposta de 21,3%, oferecida pelo governo, é irrisória pois não cobre a inflação. “O governo também não nos apresenta uma planilha de estudo que diz que nos próximos anos a inflação será neste patamar. Dou sempre o exemplo do próximo ano, 2016, o governo diz que a inflação será abaixo dos 5%, e está nos oferecendo 5.75%, mas não mostra para nós onde está este estudo”, explicou Mozarte. O Coordenador, ainda, lembrou os 5% de aumento que os servidores tiveram em março deste ano (última parcela do acordo de greve de 2012) frente à situação econômica do país. “Tivemos 5% de aumento em março. Este ano vai bater 10% de inflação. Então já estamos perdendo 5%. Quando a gente entrar no ano que vem já estaremos defasados”, disse Mozarte.

 

Para conferir a íntegra da entrevista no Programa Esfera Pública, clique aqui.

Este post ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Veja também