Início > Notícias > Técnicos administrativos lacraram prédio da Reitoria, no Centro da Capital
Técnicos administrativos lacraram prédio da Reitoria, no Centro da Capital

Alunos ficam sem aula devido à paralisação de servidores da Ufrgs Técnicos administrativos lacraram prédio da Reitoria, no Centro da Capital Estudantes se concentraram em frente ao local  Servidores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) lacraram o prédio da Reitoria e das faculdades de Arquitetura, Educação e Ciências Biológicas, no Centro de [...]

Alunos ficam sem aula devido à paralisação de servidores da Ufrgs

Técnicos administrativos lacraram prédio da Reitoria, no Centro da Capital

Estudantes se concentraram em frente ao local

 Servidores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) lacraram o prédio da Reitoria e das faculdades de Arquitetura, Educação e Ciências Biológicas, no Centro de Porto Alegre, deixando aproximadamente 1 mil trabalhadores do lado de fora, na manhã desta quarta-feira. Além disso, os alunos foram surpreendidos pela paralisação e ficaram sem aula.

 Também não funcionam as agências bancárias localizadas no prédio. O movimento é nacional e tem o objetivo de chamar a atenção da sociedade para a reivindicação de reajuste de salários. Os técnicos administrativos também pedem mudanças nas eleições da Reitoria.

 Uma das coordenadoras da Associação dos Servidores da Universidade Federal do Rio Grande Sul (Assufrgs), Rosane Souza, disse que o governo federal já realizou 50 reuniões com os trabalhadores, mas não apresentou nenhuma contraproposta.

 A entidade, que representa 4,8 mil sindicalizados da ativa, pensionistas e aposentados, pede vencimentos de, pelo menos, três salários mínimos. A categoria realiza assembleia na tarde desta quinta-feira, com indicativa de greve para 11 de junho.

http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=428049

 

3 comentários para "Técnicos administrativos lacraram prédio da Reitoria, no Centro da Capital"

  1. Andréa Ferreira maio 30th, 2012 17:19 pm Responder

    Nossa paralisação é em decorrência que nossas reivindicações que vêm sendo negociadas pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) sem respostas positivas, até o momento, tanto na pauta específica, quanto na pauta conjunta com os demais servidores públicos federais.
    E nossa pauta específica consiste em: aumento no piso salarial, resolução das pendências na carreira, racionalização, anexo IV e reposicionamento dos aposentados.
    A pauta geral unificada tem como eixos: reajuste salarial de 22,08% ( com reposição da inflação de 2010 e 2011); data base dia 1º de maio; regulamentação da Convenção 151 da OIT; e definição de uma política salarial digna para os trabalhadores do serviço público.

  2. Andréa Ferreira maio 30th, 2012 17:58 pm Responder

    Sinceramente, não gostamos de fazer paralisações, não gostamos de fazer GREVE, mas somos obrigados a faze-lo pois vemos que dia-a-dia estamos perdendo nosso poder aquisitivo. Não temos data base e portanto é na luta que conseguimos de alguma forma reverter nossas perdas. A nossa paralisação de hoje(30 de maio de 2012) foi uma forma de pressão para que aconteça uma negociação REAL, pois até esse momento as nossas reivindicações que vêm sendo negociadas no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) mas nada foi negociado, não há uma MESA de NEGOCIAÇÃO, há isso sim uma MESA DE ENROLAÇÃO, pois estão nos enrolando a muito tempo, se pode até dizer que é uma enrolação permanente.
    Como coloca Maria Lúcia Fattorelli “O Brasil é de fato uma potência. Recursos existem, e estão sobrando para o setor financeiro, canalizados por meio do “Sistema da Dívida”. Ao mesmo tempo, Direitos Humanos são aviltados, transformando o Brasil em um dos países mais injustos do mundo. As privatizações continuam a todo vapor. Os servidores públicos têm sido continuamente prejudicados com a negativa de reajustes salariais, condições de trabalho aviltantes, direitos trabalhistas usurpados, previdência pública sendo privatizada e transformada em fundos de pensão justamente quando estes estão quebrando no mundo todo, enfim, os trabalhadores que possuem a responsabilidade de prestar um bom serviço ao público que paga elevados tributos em nosso país não podem se conformar com esse injusto quadro. Dedico esse estudo a todos os trabalhadores que se organizam, mostram a cara, e vão à luta por seus direitos, buscando garantir o sustento de suas famílias e defender a dignidade do próprio serviço público que beneficia toda a sociedade. Merecem todo respeito aqueles que trilham o difícil caminho da luta cidadã, e não se
    deixam corromper pelo “Sistema”.”

  3. REJANE maio 30th, 2012 18:04 pm Responder

    Foi um movimento pacífico e muito bonito! Q todos os outros se mantenham nesta mesma linha. Estão d parabéns os organizadores!

Deixe seu comentário

Veja também