Início > Notícias > Yeda Crusius: Um governo que espalha violência
Yeda Crusius: Um governo que espalha violência

Em nota publicada na edição de segunda-feira, 20, do jornal Correio do Povo, de Porto Alegre, o CPERS/Sindicato responsabiliza a governadora Yeda Crusius pela violência da Brigada Militar nas manifestações de trabalhadores no Rio Grande do Sul. Veja a integra da nota.

Em nota publicada na edição de segunda-feira, 20, do jornal Correio do Povo, de Porto Alegre, o CPERS/Sindicato responsabiliza a governadora Yeda Crusius pela violência da Brigada Militar nas manifestações de trabalhadores no Rio Grande do Sul. Veja a integra da nota.

A selvageria e a covardia verificadas na quinta-feira passada na Praça da Matriz, em Porto Alegre, são de responsabilidade da governadora Yeda Crusius. Os atos de violência daquela tarde mostram a fragilidade de um governo em permanente crise política, desgastado pela corrupção e com uma rejeição na casa dos 60%.

Para se sustentar em meio a crescente impopularidade o governo opta por transformar o Rio Grande do Sul em um estado policial, em que a questão social é tratada como caso de polícia. Para Yeda, aqueles que se levantam contra suas práticas são caracterizados como baderneiros ou desocupados, termos repetidos à exaustão pelo coronel Mendes, um subordinado incapaz de cumprir a tarefa de garantir a segurança da povo gaúcho.

A truculência que deixou mais de 20 pessoas feridas não vai calar nossas vozes. Os trabalhadores não se intimidarão e continuarão defendendo o direito constitucional de livre manifestação. Portanto, engana-se a governadora ao pensar desta forma. Esse comportamento de mentalidade autoritária serve apenas para fortalecer a nossa luta contra os seus desmandos.

A manifestação que mostrou o lado fascista do Governo Yeda reuniu trabalhadores de diversas categorias dos setores público e privado, do campo e da cidade. O ato unitário foi uma demonstração de força de todos aqueles que acreditam na democracia e não aceitam o estado mínimo preconizado pela governadora e seus aliados.

CPERS/Sindicato

Veja também