Início > Notícias > Com 56 IFEs paralisadas, greve dos professores federais completa um mês neste domingo, 17/06 o
Com 56 IFEs paralisadas, greve dos professores federais completa um mês neste domingo, 17/06 o

InformANDES na UFRGS, nº 74/2012 – 16/06/2012. A Seção Sindical do ANDES-SN na UFRGS informa! Informações sobre a greve nacional das IFES, sobre as reivindicações e sobre a mobilização na UFRGS: http://andesufrgs.wordpress.com/ PAUTA: 1-Com 56 IFEs paralisadas, greve dos professores federais completa um mês neste domingo, 17/06. 2-UFRGS: rico processo de mobilização, reuniões, discussões – [...]

InformANDES na UFRGS, nº 74/2012 – 16/06/2012.

A Seção Sindical do ANDES-SN na UFRGS informa!

Informações sobre a greve nacional das IFES, sobre as reivindicações e sobre a mobilização na UFRGS: http://andesufrgs.wordpress.com/

PAUTA:

1-Com 56 IFEs paralisadas, greve dos professores federais completa um mês neste domingo, 17/06.

2-UFRGS: rico processo de mobilização, reuniões, discussões – manifesto de docentes da FACED; posicionamentos da Reunião Geral dos professores do Colégio de Aplicação, da Plenária dos docentes da Fisioterapia; outras reuniões.

3-A Universidade Brasileira está em greve: o que os docentes querem? Chances de conquistas e riscos de ciladas!

A UFRGS e a greve nacional: agenda da próxima terça-feira, 19/06:

-paralisação das atividades;

-no período da manhã: reuniões nas unidades;

-de tarde, Assembleia Geral para deliberar sobre a adesão à greve nacional (16h00, sala 101 da Faculdade de Educação, Campus Centro). Compareça!

1-Com 56 IFEs paralisadas, greve dos professores federais completa um mês neste domingo, 17/06

Considerado um dos mais amplos e fortes movimentos na história da categoria, a greve dos professores federais completa um mês neste domingo (17/06). Já são 54 Instituições Federais de Ensino (IFEs), que comunicaram oficialmente sua greve ao Comando Nacional da Greve dos Docentes das IFE (CNG) do ANDES-SN. Mas sabe-se que duas outras IFEs estão paralisadas. Também, a UFMG está com indicativo para entrar em greve nesta terça-feira (19/06). Veja lista completa aqui.

O movimento segue crescendo, ganhando força também com a greve dos estudantes, dos técnico-administrativos das universidades – organizados na Fasubra – e dos servidores da Educação Básica, Profissional e Tecnológica – base do Sinasefe.

A deflagração de greve por parte de todos os setores da educação aponta o descontentamento em relação às condições de trabalho, ensino, permanência e denuncia a precariedade nas IFEs.

Negociações

Na última terça-feira, 12/06, diretores do ANDES-SN e membros do Comando Nacional de Greve (CNG) se reuniram com representantes do governo e demais entidades da educação (Sinasefe, Proifes) para a primeira reunião sobre a carreira docente desde a deflagração da greve.

A dificuldade em avançar, segundo Marina Barbosa, presidente do ANDES-SN, está na ausência de flexibilidade do governo em negociar efetivamente com a categoria. “Não há acordo, porque até o momento não há proposta. Só é possível discutir o futuro do movimento, a partir do momento em que o governo apresentar uma proposta concreta para ser avaliada”, disse

A profª Marina lembra que os docentes estão em negociação com o governo desde agosto de 2010 e que, na reunião realizada em 15 de maio deste ano, a proposta apresentada pelos representantes do governo trazia os mesmos parâmetros e elementos da apresentada em dezembro de 2010. Foi a recusa do governo em efetivamente negociar que provocou a greve!

Na última reunião (12/06), após novamente pedir prazos e trégua, o governo finalmente se comprometeu em trazer uma proposta de reformulação da carreira docente em reunião agendada para a manhã do dia 19/06.

2-UFRGS: rico processo de mobilização, reuniões, discussões – manifesto de docentes da FACED; posicionamentos da Reunião Geral dos professores do Colégio de Aplicação e da Plenária dos docentes da Fisioterapia; outras reuniões.

Crescimento das reuniões, debates e mobilização

Expressando o crescimento da mobilização na UFRGS, a última Assembleia Geral avaliou que chegou a hora da UFRGS decidir sobre a adesão à greve nacional e convocou os colegas a paralisarem as atividades na terça-feira 19/6, debaterem a questão nas Unidades e realizar Assembléia Geral às 16h00.

Esse movimento vem suscitando um rico processo de reuniões preparatórias, mobilizatórias, nos Departamentos e Unidades, de informação sobre a situação da greve, as reivindicações, as negociações, as iniciativas a tomar, as propostas a levar à Assembleia Geral.

“Manifesto de docentes da Faculdade de Educação/UFRGS sobre a greve nacional”

Na Faculdade de Educação, um grupo de professores lançou um importante manifesto de apoio à greve nacional e suas reivindicações; no documento, ainda informa sua decisão de aderir à paralisação das atividades na terça-f. 19/6 e convida “todos os docentes da universidade para se juntarem a nós na Assembleia Geral às 16h do mesmo dia, na sala 101 de nossa unidade. Compreendemos que este é um momento ímpar para resgatarmos a força das ações coletivas e restabelecermos os laços de solidariedade tão precarizados pela dinâmica individualista em que nos vemos enredados”. (A íntegra do “Manifesto de docentes da FACED sobre a greve nacional” pode ser lida abaixo ou em http://andesufrgs.wordpress.com/2012/06/15/manifesto-de-docentes-da-facedufrgs-sobre-a-greve-nacional/

Reunião Geral do Colégio de Aplicação decide paralisar as atividades na terça-f. 19/6

Na quarta-f. 13/6, a Reunião Geral dos professores do Colégio de Aplicação decidiu pela paralisação na terça-f. 19/6; a proposta foi aprovada por esmagadora maioria (mais de 50 votos a favor, 2 abstenções e 1 voto contra).

Professores da Fisioterapia aderem à paralisação do dia 19

Realizada na quinta-f. 14, a Plenária dos docentes do Curso de Fisioterapia decidiu aderir à paralisação da próxima terça-feira (19/06) e comparecer à Assembleia Geral no período da tarde, levando suas propostas para discussão.

Outras reuniões já ocorridas

Além destas reuniões e daquela da Psicologia (já noticiada anteriormente), foram também realizadas outras reuniões (o quadro que segue foi elaborado em base nas informações recebidas):

* na quinta-f., 14/6, na ESEF, compareceram 13 professores dos cursos de dança, fisioterapia e educação física; ouviram os informes, perguntaram, comentaram. Depois, a Plenária da Fisioterapia decidiu paralisar as atividades na próxima terça-f. (19/06) e levar várias propostas à Assembleia Geral. O Curso de Dança decidiu ter sua reunião própria na segunda-f. para definir propostas que levará à reunião da ESEF a realizar-se na terça-f. de manhã.

* na sexta-feira, 15/6:

- na Administração, excelente reunião com 10 professores: decidiram aderir à paralisação da terça-f. 19/6, realizar um debate no mesmo dia de manhã e comparecer à Assembleia Geral à tarde. Também, estão redigindo um manifesto a ser divulgado.

- na Matemática, compareceram 12 professores, com processo de esclarecimentos e decisão de realizar nova reunião na terça-f. 19/06;

- houve duas reuniões no ICBS: uma no Centro (sala 203) e outra, na Bioquímica. As decisões foram de realizar uma reunião conjunta com professores da Psicologia e de outras Unidades do Campus Centro, na terça-feira de manhã, e de levar propostas à Assembleia Geral.

Reuniões previstas

Na segunda-f. 18 e na terça-f. 19/6, estão previstas reuniões no IFCH, Biociências, na Economia, Educação e, como já noticiado, no Colégio de Aplicação, ESEF, Campus Médico e Administração. Algumas outras reuniões estão sendo articuladas.

Faça como eles: reúna com seus colegas de Departamento e/ou Unidade, debata e, às 16h00, compareça na Assembleia Geral: sala 101 da Faculdade de Educação, Campus Centro.

O Comando de Mobilização está disponível para comparecer nessas reuniões, bastando para isso convidá-lo.

3-A Universidade Brasileira está em greve: o que os docentes querem?

A proposta de Carreira Docente do ANDES-SN

Além de melhoria nas condições de trabalho e ensino nas instituições, com atendimento das pautas locais, os docentes federais reivindicam uma carreira única, mais simples, com 13 níveis e steps (degraus) definidos, com valorização da titulação e do regime de trabalho, em especial a Dedicação Exclusiva, incorporação das gratificações (uma linha só no contracheque!) e paridade entre ativos e aposentados (ver, abaixo, o link para a proposta de Carreira Docente do ANDES-SN).

A posição do governo e de seus aliados

Por sua vez, “o governo trabalha com uma lógica diferente da nossa, com uma proposta que cria diferenciações internas na categoria, entre ativos e aposentados e entre docentes que exercem a mesma função em instituições diferentes. Inclusive com a desconstrução da lógica da dedicação exclusiva”, aponta Marina.

Durante os trabalhos do GT Carreira, foram identificados pontos de divergência e convergência entre as propostas do ANDES-SN, do governo e das outras entidades do setor da educação (Sinasefe, Proifes).

“Até o momento identificamos seis pontos de divergências muito agudos, mas consideramos ser possível superá-los desde que a gente efetivamente negocie. Nós acreditamos que o conflito é possível de ser resolvido”, disse a presidente do Sindicato Nacional, ressaltando que os docentes sempre estiveram disponíveis à negociação. Conheça aqui os pontos de divergência nas propostas.

E a proposta de equiparação com C&T? Chances de conquistas e riscos de ciladas!

O Comando Nacional da Greve dos Docentes das IFEs coloca que, neste momento, “o desafio é ampliar a luta e manter o foco do movimento, centrado na nossa pauta de reivindicações, em suas implicações quanto à natureza da atividade acadêmica, defesa da autonomia universitária e do padrão unitário de qualidade, bem como, da estabilidade jurídica dos conceitos e

estrutura salarial da carreira docente”.

E alerta: “Isto implica prevenir-se de armadilhas como as que foram utilizadas em outros momentos de afunilamento das negociações e que podem ser reeditadas. Jogo de números, valores e tabelas, ou comparações genéricas e sem compromisso, por exemplo com a carreira de C&T, podem ser apenas tema para a retórica desmobilizadora protagonizada por membros do governo e alguns de seus aliados do meio acadêmico e sindical. Só poderemos avaliar, quando a proposta estiver efetivamente na mesa”.

 A esse respeito, cabe lembrar que, na última reunião, o representante do governo se limitou a dizer que, na proposta a ser apresentada pelo governo na próxima terça-feira, poderá ser utilizado como parâmetro o plano de carreira do pessoal do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), MAS não quis se comprometer se o piso e o teto serão o mesmo do servidores do MCT.

 Novamente questionado e pressionado pelo ANDES-SN, o representante do governo respondeu com uma frase intencionalmente vaga e sem compromisso algum.

 Fonte: ANDES-SN, 15/06/2012 e Seção Sindical/UFRGS, 16/06/2012.

  “MANIFESTO DE DOCENTES DA FACED SOBRE A GREVE NACIONAL

 Nós, professores da Faculdade de Educação da UFRGS (FACED) abaixo-assinados, manifestamos nosso apoio ao movimento nacional de greve das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) por entendermos que as reivindicações são justas e que as tentativas de negociação foram frustradas pela intransigência do governo.

 Informamos que, seguindo a deliberação da Assembleia Geral dos docentes, organizada pela Seção Sindical do ANDES-SN na UFRGS, em 11/06, estamos aderindo à paralisação das atividades na próxima 3ª feira (19/06). Neste dia realizaremos uma reunião dos professores da FACED, às 9h, na sala 508, para discutir a situação com todos os

colegas interessados.

 

Aproveitamos para convidar todos os docente s da universidade para se juntarem a nós na Assembleia Geral às 16h do mesmo dia, na sala 101 de nossa unidade. Compreendemos que este é um momento ímpar para resgatarmos a força das ações coletivas e restabelecermos os laços de solidariedade tão precarizados pela dinâmica individualista em que nos vemos enredados.

Este post ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Veja também