Início > Notícias > Após ato em frente ao MEC, FASUBRA foi chamada para uma reunião, na segunda-feira, dia 30 de julho, com o Ministro Aluízio Mercadante.
Após ato em frente ao MEC, FASUBRA foi chamada para uma reunião, na segunda-feira, dia 30 de julho, com o Ministro Aluízio Mercadante.

Ato no MEC: não haverá matrículas nem vestibular

FASUBRA e Comando Nacional de Greve decidem por não realizar as matrículas dos estudantes aprovados na última seleção e não realizar o próximo vestibular enquanto o governo não negociar. O anúncio foi feito oficialmente na última quinta-feira (26) em frente ao Ministério da Educação (MEC).

 O objetivo era dar visibilidade à decisão de não realizar vestibular e nem matrículas desse ano em todas as universidades do país, por causa da posição do governo em não apresentar nenhuma proposta para a categoria. A ação foi amplamente divulgada pela mídia em jornais, TV e rádio. “A intransigência do governo é a verdadeira culpada desse processo”, informou a Federação.

 A greve atinge também as demais atividades dos técnicos e não tem prazo para término. “Ficaremos com o vestibular, as matriculas e as demais atividades paralisadas por tempo indeterminado, até o governo abrir uma mesa de negociação com a categoria”, afirmou a FASUBRA.

 No final da tarde os representantes foram recebidos pelo secretário de Educação Superior do MEC (SESU) Amaro Lins. “Sou testemunha de que o ministro Mercadante tem se esforçado pela causa dos Técnico-Administrativos em educação. Estamos trabalhando por um proposta”, afirmou o secretário.

 Hoje, o ministro Aluízio Mercadante, entrou em contato por telefone com a FASUBRA solicitando uma reunião para segunda-feira.

 

Assessoria de Imprensa – FASUBRA Sindical

3 comentários para "Após ato em frente ao MEC, FASUBRA foi chamada para uma reunião, na segunda-feira, dia 30 de julho, com o Ministro Aluízio Mercadante."

  1. Rogério Fernandes da Costa julho 27th, 2012 18:49 pm Responder

    Sem citar nomes para não esquecer de alguns e cometer injustiça mas quando o partido que está hoje no governo era oposição muitos deputados e ocupantes de outros cargos apareciam nas nossas assembleias, tinham direito ao microfone e tudo o mais. Agora não os tenho visto, mandei e-mail para vários deles cobrando uma posição e não obtive resposta. Eu, particularmente, não vou esquecer disso, ainda acontecerão muitas eleições. Continuamos na luta, abraço a todos.

  2. Filippo de Carvalho Gava julho 28th, 2012 13:31 pm Responder

    Infelizmente é preciso radicalizar para o governo negociar.

  3. Leonardo agosto 2nd, 2012 11:18 am Responder

    Concordo com o Rogério! E digo mais, isso nunca vai mudar! Independente do partido político, o discurso sempre muda quando chegam ao poder! Vão fazer exatamente as mesmas coisas de que eram contrários.

Deixe seu comentário

Veja também