Início > Notícias > ASSUFRGS entra com representação no MP contra a terceirização da segurança na UFRGS
ASSUFRGS entra com representação no MP contra a terceirização da segurança na UFRGS

A ASSUFRGS,  através do GT Segurança,  entrou com uma representação no MP contra a terceirização da segurança na UFRGS, conforme deliberação do XXI Seminário Nacional de Segurança das IFES, em dezembro do ano passado. O GT Segurança obteve vários documentos, incluindo um estudo de sua assessoria jurídica (o escritório de advocacia Rogério Viola Coelho e [...]

A ASSUFRGS,  através do GT Segurança,  entrou com uma representação no MP contra a terceirização da segurança na UFRGS, conforme deliberação do XXI Seminário Nacional de Segurança das IFES, em dezembro do ano passado. O GT Segurança obteve vários documentos, incluindo um estudo de sua assessoria jurídica (o escritório de advocacia Rogério Viola Coelho e advogados associados) e uma nota técnica do Senado Federal, onde todos foram conclusivos: o cargo de vigilante na Lei 11091/05 PCCTAE não está extinto. A ASSUFRGS já havia apresentado estes documentos para  a Administração Central, e como não obteve nenhuma resposta entrou com esta representação. Caso o MP acate a representação que dispõe que o cargo de vigilante não está extinto e nem em extinção, poderá abrir precedente para outros cargos. 

Leia aqui a íntegra do documento.

7 comentários para "ASSUFRGS entra com representação no MP contra a terceirização da segurança na UFRGS"

  1. P.Ceroni maio 24th, 2013 13:38 pm Responder

    Acho que a representação no MP não deveria ser só de uma categoria e sim contra a terceirização de um modo geral, fica parecendo que um cargo tem mais relevância que os demais, posição esta que vai ao encontro do entendimento do sindicato que defende a importância do fazer dentro de uma instituição de ensino de todos os cargos.
    Não sou contra esta medida, mas defendo que seja para todos.

    1. Paulo Antoniolli maio 27th, 2013 08:54 am Responder

      Pois é! Por quê apenas para um cargo é tomada tal medida? Por quê será, heim?

      Desse jeito, parece que se quer criar um “nicho de categoria”. E, se assim for, com que intuito?

      Por acaso, não existem outros cargos que também estão em risco de extinção?

      Penso que todo o processo de terceirização nas Ifes, como de resto em todo serviço público nesse país, deveria ser questionado. E de maneira séria. Pois existem diversos interesses que nem sempre são para o bem público, para a efetiva melhora do serviço público oferecido, bem como para as boas condições de trabalho dos servidores. Para TODOS OS SERVIDORES!

    2. Mozarte Simões maio 27th, 2013 14:04 pm Responder

      Ceroni, estou de pleno acordo contigo, mas o cargo em questão vale igual a qualquer outro dentro do PCCTAE, a questão não é esta, é que dos outros cargos não temos nenhum estudo juridico, mas caso o MP acate tal representação ai sim, abrirá precedente para todos os outros cargos, ésta é só uma medida, pois temos que comessar de algum lugar e os documentos que dispomos no momento são estes, é por isto que entramos com esta medida para o cargo de vigilante, assim que tivermos outros estudos em mãos faremos o mesmo para todos os cargos que é de fato a visão do sindicato, tu conhece a luta do GT Segurança da Assufrgs e sempre foi e é um apoiador, caso cansigamos abrir a porteira para os vigilantes então todos os cargos que estão sendo terceirizados nas IFES e IFETS podem ser questionados, ai meu amigo nada segura o sindicato.
      Um abraço Mozarte Simões.
      Coordenador Financeiro da Assufrgs.
      Coordenador do GT Segurança da Assufrgs.

      1. P.Ceroni maio 27th, 2013 18:38 pm Responder

        Com certeza Mozart, tomara que esta medida abra um precedente para outros cargos, sei também da importância que tem o cargo de vigilante dentro das IFES e a organização dos mesmos.
        Espero que o sindicato levante esta bandeira em defesa de outros de igual importância.

        Abraços

        Ceroni

  2. LUIZ V. JORIS maio 24th, 2013 18:25 pm Responder

    A opinião do colega é extremamente sensata e oportuna entretanto devemos considerar que no setor de segurança a terceirização atinge 80% do quadro e cresce de forma desenfreada.

  3. JOSÉ CARLOS BALBINO maio 26th, 2013 13:43 pm Responder

    Meus amigos da rede GT-SEGURANÇA temos que também fazer o mesmo em todas as IFES e IFET’S e teremos que debater esta assunto com mais profundidade no nosso Seminário deste ano, não esqueça e um grande abraço a todos.

  4. Neco maio 28th, 2013 12:03 pm Responder

    Companheiros, penso que a luta dos vigilantes é legitima e um exemplo, mas que pra mim o preocupante é que o conjunto da coordenação da Assufrgs em sua carta aos reitores tenha pedido concurso para menos de meia duzia de cargos desconhecendo o conjunto dos chamados “extintos”. Não querem mais pedreiros, marceneiros, carpinteiros, pintores, auxiliares de serviços gerais e por aí vai. Pergunto de onde tiraram essa “brilhante” idéia, onde se deliberou isso?????? A que ponto chegou a auto-suficiência dos que deveriam ser meros representantes do coletivo???

Deixe seu comentário

Veja também