Início > Notícias > Assufrgs solicita posição da Reitoria sobre truculência da BM em frente ao Campus Centro
Assufrgs solicita posição da Reitoria sobre truculência da BM em frente ao Campus Centro

Ação truculenta da Brigada Militar ocorreu na noite de segunda-feira (24 de outubro)

Reitoria da UFRGS também foi alvo de bombas de gás da Brigada Militar, na manifestação contra a PEC 241, realizada segunda-feira (24). (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

Na noite do dia 24 de outubro, o ato pacífico realizado em Porto Alegre contra a PEC 241 foi duramente reprimido pela Brigada Militar. Os manifestantes, dentre eles técnico administrativos, estudantes e professores da Universidade, foram encurralados pelos policiais militares, que atacaram a multidão com bombas de gás lacrimogênio e efeito moral. O ataque aconteceu justamente quando o ato se encaminhava para o seu ponto final, a Faculdade de Educação da UFRGS, se unindo a vigília organizada pela comunidade universitária também contra a PEC 241.

Na repressão aos manifestantes, as bombas foram jogadas inclusive na área da Universidade (jurisdição federal) em um claro desrespeito à vida das pessoas e à Instituição. Devido a essa violação, a Coordenação da Assufrgs manifesta seu repúdio à truculência da BM e envia à administração da UFRGS ofício solicitando manifestação da Reitoria.

Confira o ofício encaminhado -> Of 27116

Na quarta-feira (26 de outubro) a administração da UFRGS encaminhou ofício ao Comando da Brigada Militar manifestando preocupação com os fatos ocorridos na noite de segunda-feira. Após dissolver com bombas de gás uma manifestação contra a PEC 241 na avenida Osvaldo Aranha, um destacamento do pelotão de choque da Brigada Militar perseguiu manifestantes que se refugiaram no prédio da Reitoria e disparou novas bombas de gás contra o portão de entrada do Salão de Atos da UFRGS, onde ocorria uma apresentação artística.

Na nota a reitoria manifesta preocupação quanto à repressão com bombas de gás, inclusive no espaço interno da universidade, diz que a ação da Brigada colocou em situação de risco, além dos manifestantes, mais de 100 pessoas que estavam no Salão de Atos e lembra que a UFRGS é uma instituição federal autônoma em cujos espaços há liberdade de manifestação.

Este post ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Veja também