Início > Notícias > Mais um dia de protestos contra valor da passagem de ônibus em Porto Alegre
Mais um dia de protestos contra valor da passagem de ônibus em Porto Alegre

Ato previsto para às 18h desta segunda-feira Manifestantes quebraram vidros da prefeitura e de viatura em protesto Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS Lara Ely lara.ely@zerohora.com.br As horas que antecedem o novo protesto prometido para a noite desta segunda-feira por trabalhadores e estudantes contra o aumento da passagem de ônibus na Capital são marcadas pelo clima [...]

Ato previsto para às 18h desta segunda-feira

Mais um dia de protestos contra valor da passagem de ônibus em Porto Alegre Ricardo Duarte/Agencia RBS

Manifestantes quebraram vidros da prefeitura e de viatura em protesto Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

As horas que antecedem o novo protesto prometido para a noite desta segunda-feira por trabalhadores e estudantes contra o aumento da passagem de ônibus na Capital são marcadas pelo clima de tensão e pela desconfiança mútua.

Após os atos de violência na semana passada, a prefeitura teme novos ataques e planeja uma reação, caso os manifestantes apelem novamente ao desrespeito ao patrimônio público.

Às 18h, em frente ao prédio da prefeitura, os participantes querem mostrar mais uma vez ao público o descontentamento com ao valor fixado em R$ 3,05 pelo prefeito, José Fortunati. O valor pretendido é de R$ 2,60. A prefeitura, no intuito de se proteger, reúne-se na manhã de hoje para definir como lidar com a situação.

O sentimento é de alerta em relação à agressividade expressada nas redes sociais. A Brigada Militar estará com efetivo reforçado. O capitão Euclides Neto, comandante da 1ª Companhia do 9º BPM, diz que mais de 50 policiais buscarão alternativas para evitar embates.

— É para ser manifestação pacífica. Mas sabemos que alguns acabam transgredindo — afirma Neto.

A falta de líderes no movimento causa problemas para a polícia. O comandante explica que, sem representantes formais para travar diálogo, a negociação fica dificultada. Diretor da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Carlos Pires diz que os fiscais de trânsito também acompanharão o protesto.

O que dizem os manifestantes

Organizado via redes sociais, o protesto contava com a confirmação de mais de 3 mil pessoas até a noite de ontem, entre eles, integrantes de entidades estudantis, partidos políticos, estudantes e civis.

De acordo com Guiga Narcizo, membro do Diretório Central de Estudantes (DCE) da PUCRS, a população está indignada e irá tomar as ruas do Centro para reivindicar um direito legítimo. Questionando sobre os incidentes do ato ocorrido na última quarta-feira, Narcizo afirma que a violência não está no planejamento:

— Os 10 minutos iniciais do ato não foram condizentes ao resto do protesto.

Matheus Gomes, coordenador geral do DCE da UFRGS e integrante da Assembleia Nacional dos Estudantes — Livre (Anel), argumenta que a manifestação é feita por grupos de diferentes matizes ideológicas, e que, apesar do movimento ser pacífico, certas situações são incontroláveis:

— São reações espontâneas. Nem sempre temos como segurar. Licitação e estatização das empresas de transporte e realização de uma audiência pública para discutir o valor justo da passagem estão entre as proposições dos estudantes.

O que diz a prefeitura

A agressividade manifestada pelas redes sociais preocupa o secretário municipal de Coordenação Política e Governança, Cesar Busatto. Segundo ele, a prefeitura está aberta ao diálogo para buscar formas de negociação, mas o enfrentamento e a violência mostrados na última semana dificultam qualquer tipo de negociação.

Os ânimos para o protesto de hoje estão exaltados. Após ser atingido com tinta vermelha na última quarta-feira, Busatto diz que considera “grave” o que ocorreu:

— Não há como proceder com diálogo, se a atitude for de enfrentamento .Teremos que ter outro tipo de reação.

O secretário acrescentou que há espaço para mudar esse cenário, mas com uma discussão “sobre propostas consistentes e técnicas”:

— Não temos como contribuir se não há diálogo.

Busatto afirma que o processo de licitação das empresas de ônibus, as isenções, a redução de impostos pelo governo federal e a metodologia do cálculo da planilha de custos das empresas estão em pauta e podem levar a uma mudança na tarifa. No momento, porém, não há como voltar atrás.

http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/transito/noticia/2013/04/mais-um-dia-de-protestos-contra-valor-da-passagem-de-onibus-em-porto-alegre-4092108.html

Este post ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Veja também