Início > Notícias > “O que está em jogo é o controle do pré-sal”, alerta petroleiro ao falar sobre o escândalo da Petrobrás
“O que está em jogo é o controle do pré-sal”, alerta petroleiro ao falar sobre o escândalo da Petrobrás

Em debate promovido pela Assufrgs, o dirigente do sindicato dos petroleiros do Rio Grande do Sul (SINDIPETRO/RS) Dary Beck Filho alerta que por trás do pretexto de apurar os reais casos de corrupção dentro da PETROBRÁS, está o interesse de controlar o pré-sal, que é “a maior descoberta de petróleo nos últimos anos no mundo”.

O petroleiro Dary Beck Filho participou da mesa do dia 03 de março, promovida pela Assufrgs, alusivo ao Dia Nacional de Lutas da FASUBRA. Em sua fala, abordou o tema mais comentado no país nos últimos meses: o escândalo de corrupção da PETROBRAS, e a Operação Lava Jato. Sua abordagem, no entanto, fez um contraponto ao que vem sendo quase que unanimemente divulgado pela mídia empresarial.

Ele falou que existe hoje um ataque muito forte em relação a Petrobrás, em virtude das denúncias de corrupção, que realmente existem e ele defende que se investiguem. Ele entende que foi um esquema muito bem armado, e que só foi descoberto por conta do doleiro Youssef. No entanto, ele acha que a repercussão da mídia não tem o propósito de apuração da corrupção, mas sim de desgaste da imagem da PETROBRAS por outras razões. Ele alerta que existe uma questão que ocorreu nos últimos anos, que foi a descoberta do pré-sal.

“A grande maioria da população não tem consciência do que significa essa descoberta. O pré-sal é a maior descoberta de petróleo nos últimos 30 anos no mundo, e quem descobriu foi a Petrobrás. E na verdade, a grande descoberta da Petrobras foi como chegar a esse petróleo, pois até então, mesmo se sabendo da existência desse petróleo, não se sabia como chegar até ele. Hoje já produzimo 700 mil barris, isso significa um terço da produção nacional só do Pré-Sal, e isso é só o começo. Só com isso, nós nos tornamos exportadores do petróleo, estamos produzindo mais petróleo do que usamos dentro, e isso muda o jogo” adverte o petroleiro.

“Se vocês olharem, os países exportadores de petróleo no mundo, Rússia, Irã, Iraque, Venezuela, o que está acontecendo, senão uma desestabilização de seus governos das mais variadas formas? É a guerra, a tentativa de pressão econômica, sanções políticas, tudo é em questão de controlar o mercado de petróleo. Como o Brasil passou para a ‘primeira divisão’ dos países exportadores de petróleo, passou a sofrer esse tipo de pressão também. Já existe uma pressão forte pra acabar com a questão do controle da Petrobrás sobre o pré-sal, que é a lei da partilha, que garante que a Petrobrás vai controlar e operar o pré-sal, com investimento privado ou não. O senador Aloisio Nunes (PSDB) já fez uma proposta de lei para revogar essa lei, se acabar com o controle da Petrobrás sobre o pré-sal, vai acontecer o mesmo que ocorreu na Argentina, que também perdeu controle de seu petróleo”, alerta Dary.

Ele também informou que centrais sindicais estão convocando para o dia 13 de março um ato de defesa da PETROBRAS, da democracia e contra a retirada de direitos. Entidades como CUT, CTB e MST estão mobilizando para o Ato.

Saiba mais sobre o Ato de 13 de março: 

Ato do dia 13 é por direitos, Petrobras e democracia, dizem movimentos

 

 

 

 

3 comentários para "“O que está em jogo é o controle do pré-sal”, alerta petroleiro ao falar sobre o escândalo da Petrobrás"

  1. Marco Aurelio Holanda Cavalcante março 6th, 2015 21:13 pm Responder

    Nado do que esta explicitado é novidade, muito bem antes das eleições pra presidente havia rumores nos bastidores dentro das unidades da Petrobras com relação aos desmandos na gestão e que isso levaria a esta fragilidade tão anunciada e as entidade como a CUT, CGT, Sindipetro e funcionários de Petrobras faziam coral para a eileição de Dilma pensando que só pelo fato da vitória tudo seria resolvido internamente, deepreparo cheios de lobo voraz\es aguardavam está possibilidade para inviabilizar

  2. Marco Aurelio Holanda Cavalcante março 6th, 2015 21:32 pm Responder

    Meu comentário é uma forma de desabafo pois esta empresa não merece pelo que vem passando nem tão pouco o seu efetivo técnico, tive e tenho orgulho desta empresa aonde trabalhei por 32 anos, portanto nunca é tarde que se faça a hora da defesa do pre-sal boa sorte e estamos juntos nesta batalha.

  3. Plínio Dotto março 6th, 2015 23:27 pm Responder

    Sobre o pré-sal, envio uma parte da entrevista do senador Cristovam Buarque ao jornal Zero Hora.
    Sei que vocês não vão publicar este comentário, mas é para mostrar que tem gente que não cai mais nessas marquetagens. Tem que defender a Petrobras da corrupção e da má administração.
    Pergunta ZH
    - O governo aposta no dinheiro do pré-sal para financiar a educação, que deverá receber
    o equivalente a 10% do PIB. Esse é o caminha?
    Resposta do Cristovam Buarque
    - Não, porque não diz como é que terá que ser investido o dinheiro. Se você jogar o dinheiro no quintal de uma escola, não melhora a educação.
    Então é preciso dizer como é que vai guardar o dinheiro, depois a gente diz de onde vem o dinheiro. Não se fez esse exercício. Em segundo lugar, o pré-sal é uma hipótese, e pouco provável.
    Pergunta ZH
    - O senhor acha arriscado vincular a educação brasileira ao pré-sal?
    Resposta do Cristovam
    - Não é arriscado, é absurdo. Veja bem, é certo reservar o pré-sal para a educação,
    mas é absurdo vincular a educação ao pré-sal.
    Primeiro, porque ninguém sabe se vem esse dinheiro
    Segundo, ninguém sabe quanto é.
    Terceiro, se vier, vai demorar muito.
    Com o preço atual do petróleo, o pré-sal não tem possibilidade de ser explorado. Não compensa.
    E, com a crise atual da Petrobras, não vejo como vai se explorar o pré-sal.

Deixe seu comentário

Veja também