Início > Notícias > PARALISAÇÃO NACIONAL CONTRA O PL 4330 – CUT – CTB – INTERSINDICAL – CONLUTAS
PARALISAÇÃO NACIONAL CONTRA O PL 4330 – CUT – CTB – INTERSINDICAL – CONLUTAS

Neste dia 15 de abril, os trabalhadores de todo o Brasil vão paralisar contra o PL 4330, da terceirização.

Como terceirizar é bem mais barato, os empresários e patrões vão demitir os funcionários que têm carteira assinada para contratar outros, que terão salários bem menores. Ou seja, se o PL 4330 passar e virar realidade, você será demitido.

Por que um banco vai manter um caixa em sua agência se ele pode gastar bem menos com um correspondente bancário, contratando os serviços de uma lotérica ou agência de correio, ou até mesmo uma farmácia? Uma grande montadora vai demitir grupos de metalúrgicos e contratar uma pequena firma, uma retífica qualquer, para fazer determinados serviços. Os grandes acionistas das empresas não estão nem aí, o que eles querem é gastar menos, ter mais lucro.

O que as pessoas têm de prestar atenção, é que ao contrário do que dizem os empresários e a mídia tradicional, o PL 4330 não vai proteger quem já é terceirizado. O projeto vai é tornar todo mundo terceirizado.

 

Num primeiro momento, o PL 4330, da terceirização, não atingirá diretamente os servidores das universidades. Entretanto, ele será a porta de entrada para que os concursos públicos deixem de acontecer para a entrada de mais firmas terceirizadas nas atividades fim das universidades. Precisamos lutar contra isso e exigir o veto presidencial a este golpe contra os trabalhadores.

 

ATIVIDADES DO DIA 15/04:

 

5h – Piquetes nas garagens de ônibus – atividade conjunta CUT – Intersindical – CTB – Conlutas – a Assufrgs participará desta atividade.

10h – Concentração na Matriz e sair em caminhada pelo centro até um ato no Glênio Peres.

12h – Início da concentração em frente à Fecomércio (Av. Alberto Bins, 665), após haverá uma caminhada até a Assembleia Legislativa do RS, onde ocorrerá o Grande Expediente Especial “Por avanços nas leis trabalhistas e em defesa de empregos e direitos”.

 

 

 

Este post ainda não foi comentado. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Veja também