Início > Notícias > Servidores federais de diferentes categorias realizam mobilização em Porto Alegre
Servidores federais de diferentes categorias realizam mobilização em Porto Alegre

Técnicos-administrativos da Ufrgs bloquearam acesso aos prédios localizados na Reitoria Servidores federais realizam protestos em diversos pontos da Capital para reivindicar aumento salarial. A mobilização dos técnicos-administrativos da UFRGS bloqueiam o acesso aos prédios localizados na Reitoria deve se estender até as 3 da tarde. Até lá as aulas estão suspensas. A categoria reivindica política salarial e mudança nos critérios [...]

Técnicos-administrativos da Ufrgs bloquearam acesso aos prédios localizados na Reitoria

Servidores federais realizam protestos em diversos pontos da Capital para reivindicar aumento salarial. A mobilização dos técnicos-administrativos da UFRGS bloqueiam o acesso aos prédios localizados na Reitoria deve se estender até as 3 da tarde. Até lá as aulas estão suspensas. A categoria reivindica política salarial e mudança nos critérios de eleição do Reitor.

Outra categoria que realiza ato são os servidores do INSS, Ministério do Trabalho, Saùde e ANVISA, que realizam ato pela manhã na Casa do Gaúcho, no Parque da Harmonia. Na parte da tarde, trabalhadores federais de Saúde cedidos para a Secretaria Municipal de Saúde realizam caminhada até o Paço Municipal.

Ainda nesta manhã de quarta-feira, servidores da Controladoria Geral da União, Receita Federal e Banco Central realizaram protesto em frente ao Prédio do Ministério da Fazenda. Eles reivindicam reposição salarial que não ocorre há 4 anos. As categorias podem decidir por greve no próximo dia 18. Servidores da Justiça Federal, Justiça do Trabalho e Justiça Eleitoral iniciaram paralização de 72 horas nesta quarta-feira.

http://www.radioguaiba.com.br/Noticias/?Noticia=428064

Rádio Guaíba

3 comentários para "Servidores federais de diferentes categorias realizam mobilização em Porto Alegre"

  1. Andréa Ferreira maio 30th, 2012 17:13 pm Responder

    Nossa paralisação é em decorrência que nossas reivindicações que vêm sendo negociadas pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) sem respostas positivas, até o momento, tanto na pauta específica, quanto na pauta conjunta com os demais servidores públicos federais.

    E nossa pauta específica consiste em: aumento no piso salarial, resolução das pendências na carreira, racionalização, anexo IV e reposicionamento dos aposentados.

    A pauta geral unificada tem como eixos: reajuste salarial de 22,08% ( com reposição da inflação de 2010 e 2011); data base dia 1º de maio; regulamentação da Convenção 151 da OIT; e definição de uma política salarial digna para os trabalhadores do serviço público.

  2. Andréa Ferreira maio 30th, 2012 18:02 pm Responder

    Sinceramente, não gostamos de fazer paralisações, não gostamos de fazer GREVE, mas somos obrigados a faze-lo pois vemos que dia-a-dia estamos perdendo nosso poder aquisitivo. Não temos data base e portanto é na luta que conseguimos de alguma forma reverter nossas perdas. A nossa paralisação de hoje(30 de maio de 2012) foi uma forma de pressão para que aconteça uma negociação REAL, pois até esse momento as nossas reivindicações que vêm sendo negociadas no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) mas nada foi negociado, não há uma MESA de NEGOCIAÇÃO, há isso sim uma MESA DE ENROLAÇÃO, pois estão nos enrolando a muito tempo, se pode até dizer que é uma enrolação permanente.
    Como coloca Maria Lúcia Fattorelli “O Brasil é de fato uma potência. Recursos existem, e estão sobrando para o setor financeiro, canalizados por meio do “Sistema da Dívida”. Ao mesmo tempo, Direitos Humanos são aviltados, transformando o Brasil em um dos países mais injustos do mundo. As privatizações continuam a todo vapor. Os servidores públicos têm sido continuamente prejudicados com a negativa de reajustes salariais, condições de trabalho aviltantes, direitos trabalhistas usurpados, previdência pública sendo privatizada e transformada em fundos de pensão justamente quando estes estão quebrando no mundo todo, enfim, os trabalhadores que possuem a responsabilidade de prestar um bom serviço ao público que paga elevados tributos em nosso país não podem se conformar com esse injusto quadro. Dedico esse estudo a todos os trabalhadores que se organizam, mostram a cara, e vão à luta por seus direitos, buscando garantir o sustento de suas famílias e defender a dignidade do próprio serviço público que beneficia toda a sociedade. Merecem todo respeito aqueles que trilham o difícil caminho da luta cidadã, e não se
    deixam corromper pelo “Sistema”.”

  3. Felipe maio 30th, 2012 23:51 pm Responder

    O ruim da greve é que os mais prejudicados somos nós alunos. Deveriam bloquear a entrada do Palácio do Planalto não a das universidades. Embora concorde com a greve, e faça parte dos meus planos ser servidor federal, sou contra prejudicar quem menos deve ser prejudicado.

Deixe seu comentário

Veja também