Início > Notícias > Assembleia lotada delibera greve dos técnicos da UFRGS, UFCSPA e IF-RS
Assembleia lotada delibera greve dos técnicos da UFRGS, UFCSPA e IF-RS

Greve por tempo indeterminado é aprovada em assembleia com mais de 400 servidores.

O auditório da Faculdade de Economia foi pequeno para os mais de 400 servidores que votaram pela deflagração da greve a partir de 28 de maio. Com muito entusiasmo, colegas da UFRGS, UFCSPA, IF-RS, Campus Canoas, Restinga e demais campi de Porto Alegre debateram a necessidade de enfrentar a política de ajuste fiscal do governo federal. Mais de 20 intervenções destacaram a necessidade da unidade de todos e da luta contra a possibilidade de ficarmos sem reajuste salarial. A luta por data-base, política salarial, reajuste de 27,3% e o aprimoramento da carreira foram destaque. Com 24 abstenções e 15 votos contrários, foi aprovada a deflagração da greve para o dia 28 de maio.

 

Cinco delegados irão representar a Assufrgs na Plenária da Fasubra nos dias 23 e 24 de maio. Cinco chapas se inscreveram e o resultado foi: Chapa 1 – Ressignificar – 23 votos – 1 delegado; Chapa 2 -  A Categoria quer avanços – independentes- 63 votos – 1 delegado; Chapa 3 – Vamos a Luta! – 100 votos – 2 delegados e Chapa 4 – CTB, Tribo e Independentes – 37 votos – 1 delegado.

 

Eleitos delegados que representarão Assufrgs na Plenaria da Fasubra de 23 e 24 de maio: Aglaé Castilho Oliva , Susana Lorelei Pinedo, Antonieta Xavier, Arthur Bloise e Anderson Menezes representarão a entidade na Plenária que definirá as pautas e a tática do movimento grevista que iniciará em âmbito nacional.

 

A próxima assembleia será no saguão da Reitoria, dia 28 de maio, às 9 horas da manhã.

 

Um comentário para "Assembleia lotada delibera greve dos técnicos da UFRGS, UFCSPA e IF-RS"

  1. Eugenio, OFS maio 22nd, 2015 14:52 pm Responder

    Paz e bem!

    Fazia muito tempo
    que não deliberávamos por uma Greve
    com tantas pessoas presentes.

    Parece que desta vez a categoria
    está vendo que a Greve é por questões reais, concretas
    e não porque precisamos porque precisamos entrar em greve.

Deixe seu comentário

Veja também